SEXTA-FEIRA À NOITE ► MARINA COLASANTI



Sexta-feira à noite
os homens acariciam o clitóris das esposas
com dedos molhados de saliva.
O mesmo gesto com que todos os dias
contam dinheiro papéis documentos
e folheiam nas revistas
a vida dos seus ídolos.

Sexta-feira à noite
os homens penetram suas esposas
com tédio e pênis.
O mesmo tédio com que todos os dias
enfiam o carro na garagem
o dedo no nariz
e metem a mão no bolso
para coçar o saco.

Sexta-feira à noite
os homens ressonam de borco
enquanto as mulheres no escuro
encaram seu destino
e sonham com o príncipe encantado.

2 comentários:

  1. Sou fã de Marina Colasanti há muito tempo! O realismo dela desnuda a cerne das relações conflitantes...tipo esse poema...de uma sexta feira qualquer. Sextou!

    ResponderExcluir
  2. Muita coisa linda li hoje na Revista de Ouro. Lindos Poemas.

    ResponderExcluir