Não toques nos objectos imediatos

  Um poema do poeta português Herberto Helder


Não toques nos objectos imediatos.
A harmonia queima.
Por mais leve que seja um bule ou uma chavená,
são loucos todos os objectos.
Uma jarra com um crisântemo transparente
tem um tremor oculto.
É terrível no escuro.
Mesmo o seu nome,só a medo o podes dizer
a boca fica em chaga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário