Água no pote ◄ Clécia Santos


Vinha com uma caneca areada
Pro mode sentir o gosto
Da água pesada e salobra
Oriunda de um açude 
Ou de algum rio sertanejo.

Meus beiços beijam
Até hoje esse gosto 
Oriundo das lembranças
Do sertão.

Céu encoberto e abatido
Das nuvens de aluvião.
Já se avistava um menino
Correndo com as sandálias
Nas mãos...É chuva!

Meus beiços beijam
Até hoje esse gosto 
Oriundo das lembranças 
Do sertão!

Via as alegres lavadeiras 
Cantarolando um forró 
De Luiz Gonzaga, eterno mestre,
O xote das meninas...
Ê! Os olhos são lágrimas!

Meus beiços beijam 
Até hoje esse gosto
Oriundo das lembranças 
Do sertão!

3 comentários:

  1. Parabéns, Clécia Santos! Também tenho saudades...

    ResponderExcluir
  2. Eita, saudade coletiva essa nossa, viu!
    Grata por desperta nessa manhã.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Jania Souza e Eliete Marry!! Feliz demais com o comentário de vocês!!👏👏👏👏😍🏵🏵

    ResponderExcluir