O POEMA DO ADEUS ► NILDINHA FREITAS



Quando toda multidão se tornar vazio, quando a noite chegar lhe trazendo solidão, talvez você sentirá saudade do abraço que tinha em meu braços e das vezes em que fui mais do que sua companhia.
Quando os amigos passarem e a dose da bebida virar ressaca, talvez você vá querer de novo provar o sabor que tinha minha boca.
Quando o tempo passar e fizer chegar o tédio de uma vida de noites acordadas e de amores passageiros, talvez você volte a acreditar em amor eterno, e veja que ainda estou dentro da retina dos seus olhos cor de mel.
Quando você tiver conquistado o mundo e perdido de novo, talvez uma hora qualquer, irá olhar para trás, pensar em tudo o que vivemos, e tardiamente, vai se arrepender de ter me deixado só.
Quando a culpa chegar e um dia ela chega, e você me procurar com promessas de um retorno sem culpados, então eu lhe direi: amar eu amei, mas viver de mentiras eu não quero mais, cansei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário