ÍNDIAONHARA

O lirismo da Poeta paranaense ÍNDIAONHARA, na Série Poetas da Nova Era
O Ecoar do Silencio 
.
Nas montanhas geladas
o solene silencio, reina
na beleza retratada
da magnitude solitária.

Impressão cortante
o vento sibila ao longe
e o vazio ecoa vozes d'alma.

Os meus olhos não se cansam de chorar
lágrimas impreg(nadas) 
e tantas... 

Pedras!

Que eu não me canse 
- de no Amor me guiar -
e que meu grito possa espargir flores

dentre, o silêncio que se faz!

E se nos vales, montes e planícies...
Compaixão alguma inexiste?
Que os animais, os pássaros, árvores, rios e mares 

Ouçam! 

Às vozes humanas  inquietantes
e curem as dores do Mundo
através da essência 
que há de ressoar [onde
a minha voz não pode alcançar].

O coração teimoso 
a um passo de cercanias  
minhas, traz das matizes
do Amor - forças 

Até que os ventos 
possam
realinhar, o seu caminho!



O Jugo das Chibatas I
.
Na penumbra de meus dias - te encontro
na tela de meus anseios
na cela das dores 
vencendo ansiedades. 

Ferida pela vida
busco nos detalhes 
- a beleza perdida.

Vidas expostas...
a preconceitos
a maus tratos
a desacatos 
e humilhação.

Gente essa, subjugada [por
indivíduos de mísera visão] 
e a esperteza impera.

A cada chibata 
de palavras 
de atos cruéis
rasgam - se feridas
da carne de seus ancestrais.

A parcela desprovida 
de direitos humanos
cria a cria da geração 
com amor [que em si
carrega]

e a mãe alva congela
pela ironia do destino 
a mesma cria que 
ao crescer, revela-se: fria.

Vidas
separadas
desperdiçadas
desmerecidas
ultrajadas
aprisionadas.

Vidas
com sede e fome
- de amor

que a caminho do nascer do Sol... 
toca em Mim a dor refletida de su’alma
e, na imensidão obscura
eis, que se faz a Luz alí 
— presente!

Série sujeita a alterações!



De volta p'ra casa...
.
“Enigmas ocorrem”

Olhares dúbios e motivos aparentes
- fazem da gente -exultante ou desencantada
amada ou desalmada 
[de alma cansada]

A minha? Após o olhar 
terno do Mar, respira 
os ares da poesia.

Ouço, 
o som das ondas e espumas deslizantes
que esbravejam  descontentes. 

Não consigo na calma aparente,
deixar de sentir na pele
as delícias da paz desejada e 

aquela concha que eu segurava
eu, não mais a vejo aqui.

Cansada,
mas de alma lavada 
de alinho combalido 
pelas ondas, chorei
[onde a cortina 
em desalinho, escondia-se
onde o tempo pára].

Após olhar o Mar... 

Danço,  
a dança das sereias
na arte impudica dos deuses, e
deito em cima dos penhascos 
- os temores ocultos.

Na brisa fresca da maresia 
em dias de escuridão 
transvio, para além da ebriedade azul...

Pergunto: 
o que é isso que ecoa ao longe? 

É o vento que embala emoções e 
de volta p'ra casa, após olhar o Mar... 

Volto 

a sorrir, e o espírito curumim ressurge, mais uma vez.



O Silenciar dos Anjos
.
Na calada fria da noite escura 
ao ouvir o sussurrar dos Anjos 
emudecem-me os sentidos. 

Um olhar de olhos infindos me vigia... 

Inquieta, reverencio o tempo 
onde o aqui agora nem perto nem distante 
canta junto ao meu coração e 
entrego-me na finitude de tudo o que sou. 

Em meio a nuances e tormentos 
teço traçados desalinhados em cunho e 
perco-me neste labirinto de metáforas. 

Um Anjo tetro num recôndito invisível 
pelas vias/mente, algoz - a morte me anuncia. 
Peregrino pela campina verde e me deito no sereno. 

Sonho (de novo) ao ouvir o gorjeio das gaivotas 

o murmurinho das águas do mar e do vento. 

O perfume que exala das flores 
cintila na aparição do céu inexorável 
e me liberta do cárcere em que vivo. 

Será loucura de meus pensamentos? 

Luto para fugir do mal que me assola 
montada no meu cavalo indomável 
na noite sombria à luz da Lua nua. 

Meu destino, minha senda 
que transita entre o céu e o inferno 
e como vidro se despedaça no chão. 

Alço finalmente de asas abertas, à Luz ao final do túnel. 
Vencendo o vento angario do pó alma minha e 

do efêmero isolamento - vôo como fênix em direção ao Sol.


4 comentários:

  1. IndiaOnhara...A poesia da natureza que abraça a alma!

    ResponderExcluir
  2. Um emaranhado poético de sensasões.. realmente se sente!!!não é força de expressão, isso é muito lindo e intenso.
    Mulher de sentimentos explicitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grata pelas palavras, Valdeci. ��

      Excluir
    2. Yzzy, imensamente agradecida.. 😍

      Excluir