DA SÉRIE DESPIDAS DE TUDO

VESTIDAS DE POESIA ♥ A verve da Poeta paulista VALÉRIA BRASIL CALEGARI
Ápice

Meus instintos gritavam
seu nome
Desejava penetrar na tua pele, por osmose
E saltar pelos teus olhos

E da tua boca beber o espumante mais caro
Com cerejas frescas...

Pela pele, pelo pelo
Pelos sentidos, movidos
Pelo desejo imperava
firmes mãos que palpitavam

Imperativo, altivo
Corpos suados
Abatidos pelo fogo da paixão

E tudo se apagou ao abrir os olhos
Múltiplos, multiplicavam-se
Numa fração de segundos,
extirpava,
O dia amanheceu.



Escuridão

Ardiamos
sob a cama escassez de luz.
Tínhamos o que tínhamos
Dois corpos nus

Buscando, sentindo
experimentando...
Pés, cabeças, bocas
Gozos, sussurros
Mudos
Saciando,
Tateando
Buscando
Em vão...


Poesia Existencialista

Noite de lua cheia em
núpcias solitária,
Uma cama e o luar

Labareda que acende o olhar
Das lembranças que povoam a memória
Uma taça de vinho acompanha
esse brinde nostálgico:

- Eu nua, feito banquete
ofertando-lhe a alma translúcida...
Sacramento de corpos apaixonados

Alma! O que tens tu com isso?
Teus desejos carentes de siso
Romperam-se conceitos
Por acaso tens esse direito?
A vida o dirá ... ela o disse!

Um comentário: