Proteção de mãe - Nassary Lee Bahar


Abortou o medo e cuidou dele com valentia
Uma força que desconhecia por ser inocente
Pegou na mão da angústia de borracha
Apagou de si a própria infância
Ainda assim, manteve a doçura
Beijou, solitária, a desolação
Abraçou forte a cria contra o peito pequeno
Chorou o horror
Engoliu o seco
Cerrou os dentes
Os cabelinhos picados
Os olhinhos descrentes
Cobriu o rostinho de quem mais amava
Fez do medo parido, a proteção d'uma mãe
Pintaram-na de pólvora a bochecha maquilada
Enfeitada pela guerra, quis apenas sumir dali
Voar longe, longe, longe... e infinito...
E trazer consigo
as borboletas do seu vestidinho sujo
e uma só certeza
Se um dia virar mulher
Se um dia a morte não lhes fizer falhar
Há de querer parir um amor
que nunca precise sobreviver neste mundo


Nenhum comentário:

Postar um comentário