Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

A verve das Poetas da Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do Rio Grande do Norte - SPVA

Refletes
Célia Melo (Bombom)

Te olho e vejo
Vestígios de um passado distante...
És forte!
És animal!
R.A.C.I.O.N.A.L
Refletes...
O que te faz achar que sou tua posse?
Não sou teu oposto.
Desde o princípio,
Sou teu igual.
Pacífica, serena, branda
Refletes...


A mulher
Rita Cruz

De perfume indelével,
A mulher é uma rosa,
Seu cheiro é agradável,
Deixando-a deliciosa
Delicada e sensual,
A mulher é poderosa.

A mulher é uma deusa
Por Vênus é abençoada
A criatura perfeita
Por deus foi ornamentada
De beleza deslumbrante,
Uma obra bem talhada.

Dos poetas é a musa,
Do homem a companheira
Dos filhos a protetora,
Lutando como guerreira
E ainda lhe sobra tempo
Pra ser bonita e faceira.


Vermelha de raiva
Arlete Santos

Vermelha de raiva
pelo filho que a mãe abortou.

Vermelha de raiva
pelo filho que a mãe abandonou.

Vermelha de raiva
pelo desemprego
por um mísero  salário.

Vermelha de raiva
pelas injustiças  dos homens.

Vermelha, Roxa, Preta, variando de raiva por ver tanta hipocrisia, por ver tanta covardia, por ver tanta gente se vendendo por tão pouco.


Flor de cacto
Emília Carla

Resistente como um cacto,
Forte e cheia de vigor.
Delicada, bela e rara
Como é a sua flor.
Eu me chamo Emília Carla
Com prazer e muito amor.

Sou resiliente, e em meio
A tantos espinhos trago
Muito carinho e confesso:
Gosto muito de um afago!
Dou afeto com vontade.
Não gosto de abraço vago.


Holocausto Amor
Jardia Maia

Sacrifiquei grandes desejos
Por um amor mórbido
Álibi, impróprio de loucura
Cessei qualquer tipo de procura
Embasada em uma aventura
Cruel desfeche sentimental
Perdida no amor de forma fatal
São desgosto e desespero
Caem meus fios de cabelos
Buscando uma saída.
Acompanhada da bebida,
Alimento minha dor.


A "Maria" em Mim
Jussiara Soares

Entendi que o meu "eu"
Na "Maria" aprisionada
No passado, quieta, calada
De só falar quando autorizada
É essa "Maria" presa
na cabeça das mulheres.
 
Dentro da sociedade, onde fomos criadas
Sendo submissas aos desejos
e caprichos dos senhores seus maridos
Hoje tenho essa "Maria" em mim
mas com a liberdade de expressar
os meus desejos.

a poesia me libertou
a poesia me deu asas.

Um comentário: