DA SÉRIE POEMAS DE OURO


Sete poemas da Poeta piauiense Liviane Matos
AMOR SE CONSTRÓI

Amor é uma construção

assim como uma casa,

um prédio.

Atitudes são os tijolos,

gestos o cimento

e vai se construindo esse sentimento.

E assim como toda construção

embora já concluída,

precisa-se de constantes reparos,

senão as paredes vão perdendo a cor.

E quando o amor perde a cor

fica feio,

fica triste.

E quando fica feio e triste

deixa de ser amor

passa a ser dor.

Com dor

o amor não resiste

desmorona.


ONDE ANDARÁ VOCÊ?
  
Quero alguém para amar

Alguém para me amar

Quero alguém que me inspire

E que faça de mim sua poesia.

Quero um amor de verdade

Com reciprocidade

Alguém que seja complemento para meu verso

Não necessariamente com rima

Mas com intensidade.

Quero alguém que saiba ler meus sentimentos

Mesmo quando me faltarem palavras para explicar

Alguém que descreva meus pensamentos

Apenas lendo meu olhar.

Quero alguém que sinta como eu

Sinta profundamente.

Onde andará você?



A POESIA ERA VOCÊ

Hoje o sol dormiu um pouco mais

O tempo estava fechado

O céu estava escuro.

Não via os pássaros sobrevoarem meu jardim

Não via o baile das borboletas

Nem as abelhas beijando as flores

O dia estava apoético.

Mas você chegou

Meus olhos brilharam

E enxergaram que a poesia do dia

Estava no teu abraço-casa

No teu beijo doce

A poesia do dia

Era você

Era nosso amor.



CHOVE

São nesses dias chuvosos

Que mais me lembro de ti

Chove lá fora

Chove aqui dentro de mim

São nesses dias de chuva

Em que a água cai sobre meu telhado

Que a saudade inunda o meu peito

Te querendo do meu lado

Chove lá fora

Chove aqui.



MAIS QUE ATRAÇÃO

Queria sentir teu cheiro
O gosto do teu beijo
Sentir teu toque em um demorado abraço.

Queria ficar por horas jogando conversa fora

Saber qual seu doce preferido

O nome do seu cachorro

A viagem mais marcante.

Queria olhar fundo em teus olhos

E então você veria o brilho dos meus

Brilho esse, cuja razão é você.

Queria te mostrar que o que sinto

É  mais que atração, desejo

É  amor.



O teu [silêncio], o meu [barulho].

Teu coração quer silêncio,

o meu quer te ouvir.

Meu coração é inquieto

Grita

E incomoda-te o barulho.

Meu coração enlouquecido

Impaciente

Não te deixa pensar.

Para ele

Incomoda teu silêncio.

Fala

Quero ouvir teu coração

Quero ouvir tua alma

Ou vem comigo ouvir o vento.



APENAS INDO

Andava pelas ruas

sem destino

Meus pensamentos gritavam.

Queria fugir de tudo aquilo

Mas aquela bagunça sentimental

me atormentava

me acompanhava.

Desesperada

Seguia

Chorava

Corria.

Para aonde estava indo?

Não tinha um destino

Estava apenas indo.

Pessoas me olhavam

Algumas com cara de pena

Outras

de julgamento.

Mas eu seguia

Sem destino

Apenas indo.

Até que te encontrei

E com você

a paz que eu precisava.



SÓ SEI POE(AMAR)

A poesia que mora em mim

Saiu de casa há dias

E não voltou

Ela se alimenta de amor

E meu coração está vazio

O estoque acabou.

Poderia escrever sobre outros assuntos

Mas sou poeta do amor

Só sei poe(amar)

Só sei fazer poe(amor).


Mais de Liviane Matos 

Liviane Matos é natural de Juazeiro do Piauí – PI, Secretária, mãe e aspirante a poeta.
“Não escrevo quando quero, a poesia que escolhe a hora de ser escrita, às vezes ela me acorda de madrugada, às vezes aparece na fila do banco. É assim, sem hora, nem aviso prévio.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário