DA SÉRIE DESPIDAS DE TUDO


VESTIDAS DE POESIA ♥ A sensualidade dos versos de LIA SENA

ocupação

como entrará esse homem
nessa casa sem espaço?
como se dará o encontro
nesse corpo ainda atado
ocupado até o pescoço?
há de ser um tremendo alvoroço
a novidade.
aparecer assim no fim da tarde
esperar janta e regaço.
ai meu deus, o que é que eu faço?
se não desamarrei ainda aquele laço
se não tirei do criado-mudo
o retrato?
quando mais tarde no colchão estendidos
volúpia e cansaço.
tateará no escuro
um ménage à trois esquisito.
lá pelas entranhas carrego
o outro [ainda escondido].


Em De Foro Íntimo



Líquidas

há um arremedo de rio
brincando com os jorros
de mulheres que gozam.
cravam no arrepio da pele
centelhas de anjos.
há um desafio sereno
nesses tremores cálidos
nesses frêmitos que afloram
e jorram em líquido serenar.
há uma fortaleza bipartida
orquestrada de florestas e montes
essa gruta de mistérios
de suculentos gozos
alicerçando vidas.
há uma ferida
que não deve cicatrizar.
aberta e quente e úmida
fala de vida
entoa cânticos
alça voos de viajar pleno.
percorre abóbadas celestes
de indecentes azuis.
há o calor incandescente
a mornar tardes secretas.
há essa necessidade
- incendiar todas as frestas
e descobrir paisagens 
nunca vistas dantes.
[há o instante em que o delito geme]

Antologia – Nas Teias de Eros


Desejo

Arrasta essa asa
e traz essa calma/ardor.

Seja o que for
dance comigo
Roce o meu ombro
cole em meu umbigo
a boca 
que em meu corpo desenhou
delírios
e com a língua alcance
mais abaixo
o meu torpor.

Sugue com gosto
tudo que de líquido ali já está
passeie bem devagar
essas intumescências
que desaguam
pulsam 
e ardentes clamam
teu corpo espada
com gosto de desbravar

Chega pra cá
Adentra
invade
e deixa ficar
até que enfim
tua lava quente
desemboque
acalme e em mim apague
todo tesão de te aguardar.
Antologia – nas Teias de Eros

Nenhum comentário:

Postar um comentário