DA SÉRIE DESPIDAS DE TUDO ♥ VESTIDAS DE POESIA


A doce sensualidade de ANGELA ZANIRATO

Hábito

eu me dispo para a poesia
tiro saias, blusas e lingeries
desfilo nua
só de luvas
para acariciar os olhos dos poetas
tão cansados
de rimas cobertas
zelosas mulheres com seus hábitos
de só arder no escuro.


Poesia

fêmea vadia
nua
nos becos
nas sobras
anunciada nas ruas
declamada nas praças
abusada nas bocas
encurta sonos
prolonga sonhos
une separa
desassossega
entrega-se
espalha-se
pinta
borda
trama
arranha
molha
afaga
enfeita
dá de comer
e acolhe em seus seios as bocas sedentas de amor


Temporal em mim

teus olhos em meus trajes:
-pele
-pelo

tranço relâmpagos
com as mãos

tuas faíscas me prendem
as coxas

até o amanhecer
incendeio
este corpo
em brasas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário