03 Poemas de Hitalo Dourado

Morte

Minh'alma cabisbaixa caminha
com os olhos úmidos ao céu,
lágrimas vertentes, violentas,
queimando, caminho ao céu.

Inconsolável.
Acabrunhado.
Sigo chorando ao que é Eterno,
é lá onde espero-te.
Consolo-me em saber que tu venhas.


Saudade

Mais uma noite neste espaço vazio,
resistindo p'ra esconder o seu Adeus.
Estou tão presa que nem consigo
lembrar que tinha um mundo só meu.

Adormeço com a dor que foi te conhecer,
a lágrima cai, pancada por pancada,
são pedras duras de um alto abismo atiradas,
é o resto do significado que foi você.

E me recolho sob um teto escuro, imerso
em descrenças e mágoas que apunhalam,
o peito até sucumbi-lo ao sono, disperso,
dentro do que significou você, que não passa.


Passarinho

Quis os teus cuidados só p'ra mim,
mas tu amas tantos outros, tantos...
que teus carinhos neles não há fim 
e permaneço no Esquecimento.


por ti cuidadas, por tuas mãos...
Não eram só minhas, e lancei-me ao nada
de ti fugi, fugi, meu sul era solidão.
batendo no céu do arrependimento,


fraco e exausto mudei a rota ao teu alento.
As asas alquebradas, e pendi do céu...
Passarinho de asas machucadas

Com asas magras e cheias de buracos
Senti o frio adversário e surgiam os medos.
O coração disse: Caio em teu abraço.


Nenhum comentário:

Postar um comentário