TRÊS POEMAS DE NORMA SANTI

AMÁLGAMA

Fui colocada por Deus em linha elíptica
Pra viver de dias cândidos
Deitar-me à rede de noites plácidas
Enluarada de águas límpidas

Pra confirmar que a vida é efêmera
Criada sobre a linha lógica
Feita de tardes e paisagens lúdicas
O reverso de outra retórica

Vieram os tempos de ideias sórdidas
Destiladas em coração pérfido
Cauterizadas em sentimentos mórbidos
E fecundadas em atos indômitos

Por muitos séculos em idade púbere
Envolvida em crises cíclicas
Como um câncer em suas metástases
Tremo à ira de febres sísmicas

Em harmonia de elementos químicos
Atestada pela física quântica
Enredada em tramoias cibernéticas
Invoco a letra de um novo cântico

Movimento-me em camadas tectônicas
Escurecida em ares ácidos
Preparo em silêncio novas catástrofes
E crio cenas de efeito épico

Movo os braços em fúria homérica
Abro novas fendas míseras
Rio-me de suas perdas econômicas
E exponho as vossas vísceras


APATICARESTIA   

À míngua
A língua procura
A dobra
Que enrola teu corpo

Às tontas
A louca devassa
O meio
Que torneia teus dedos

Às pressas
A presa escapa
E dobra
O entorno do meio

E a fome volta
Cachorro e seu dono
À míngua
Às tontas
Às pressas

Às escuras submeto-me à fome
fome de ter fome
De ter fome
De ter fome


UM TREM PARA O INFINITO

Hesito
Um último passo
Uma música conhecida
Em palavras de desculpas

Impulso
De correr em desabalo
No sentido contrário

Não é um voo
Ou naufrágio do navio

Costuro incertezas
Trançando-as
Fio a fio

Um homem elegante
Do século passado
Me saúda com seu chapéu

Fixa seu olhar em mim
Me convida para partir

Uma locomotiva
Pra sempre parada
Um tango argentino
Uma pintura desfocada

Plantações de trigo em grão
Passageiros de classe única
Pairam dançando valsas
De antigas melodias

Um trem que vai
Com os olhos em quem fica
Um trem bala
Uma Maria fumaça
Bradando a hora da partida

Subo no trem de todos os tormentos
Um TGV em anunciado suicídio
Trafego sobre a velocidade de meu tempo
E a vagarosidade dos dias idos.

Tonta
Às horas rotas
Preparo-me para o último mergulho
Desperto
Traiçoeiramente salva
Pela urgência alarmada do apito.


Nenhum comentário:

Postar um comentário