SOLIDÃO • VALTAIRA ABADIA DA SILVA

Combalido o velho coração,
mergulhado em sono profundo,
guarda o débil e hostil sentimento,
donde repousa, a sombria serenidade da distância.
Na lonjura do tempo, hibernado e desprovido de esperança.
A juventude não foi mais que um temporal,
a modular as chuvas e os sóis ardentes,
e nada mais sobrou dos vendavais.
Outrora, olhos frescos e expectantes,
divisavam o vácuo do porvir,
e o raiar esplendoroso do horizonte.
A infância, o prefácio da obra, hoje página virada.
Fugazes fugira-lhe os anos,
na ímpia prodigalidade do tempo, no acúmulo das experiências,
na memória que domina a esperança.
Das retinas fatigadas, nada mais, a quem, ou além!
Apenas a contagem regressiva do tempo...
hoje um hábito insinuante!
Postergadas lhe vão às lembranças, em detalhes,
arrancadas do solo da existência, uma, após outra!
Na sombria expectativa do... 
GRAN-FINALLE!


Nenhum comentário:

Postar um comentário