TRÊS POEMAS DO ESCRITOR CHILENO ROBERTO BOLAÑO


Agora passeias pelas docas
de Barcelona.
Fumas um cigarro negro e por
um momento crês que seria bom
que chovesse.
Dinheiro não te concedem os deuses
mas sim caprichos estranhos
Olha para cima:
está chovendo.


É noite e estou na zona alta
de Barcelona e já bebi
mais de três cafés com leite
na companhia de gente que não
conheço e sob uma lua que às vezes
me parece tão miserável e outras
tão sozinha e talvez não seja
nem uma coisa nem outra e eu
não haja bebido café mas conhaque e conhaque
e conhaque em um restaurante de vidro
na zona alta e a gente que
cri acompanhar na realidade
não existe ou são rostos entrevistos
na mesa vizinha a minha
onde estou sozinho e bêbado
gastando meu dinheiro em um dos limites
da universidade desconhecida.


MOLLY


Uma garota com libras irlandesas
e uma mochila verde.
143 pesetas por uma libra irlandesa,
é bastante, né?
Nada mal.
E duas cervejas em um terraço
de Barcelona.
E gaivotas.
Nada mal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário