A POESIA INFANTIL DE ELKE LUBITZ


Quero ser
Outra vez

Menina de rua

Na lua.


ANTES DO CÉU

Antes de ser menino
Foi um balão
Ganhou o céu

- Perdeu o chão

Antes de ser menino
Foi poesia...
Agora não.


NOITE

A noite
É uma insana
Criança
*
Ri no espelho
Da lua
Dança e
Balança.


CARNEIRINHO

Para dormir
Contei carneirinhos

Tricô eles faziam
Com seus novelinhos.


INFÂNCIA

Por conta das carambolas feito estrelinhas na sobremesa dos dias, era uma infância rica, como estrelas de ouro.

Comê-las assim, boca infantil de esperança é riqueza sem fim no umbral da memória. Por conta de morro escalado é que nascia aventura, no giro do mundo a tontura. Por conta das feridas e tombos é que se fazia crescer com barulho de chuva uma infância de sol. Por conta dos " desinfinitos" do mundo é que eu não quero crescer. Porque aqui o que é infinito fica bem longe e a viagem é feita de espantos.

   Guarda em mim o ouro dos dias, e o sol da terra sempre será a infância de dentro.

2 comentários:

  1. Que coisa linda, delicado como todos os versos da autora. Alegria poder ler aqui.
    Parabéns Elke e Radyr pela divulgação.

    ResponderExcluir