TRIPULANTES

Um poema de SANJO MUCHANGA 

Sempre estivemos em navios
Apesar de vivermos sombrios
Sempre nos demos tão bem
Apesar das brigas do além

Na verdade somos dois tripulantes
Neste navio desviado do leste
Encinzado de lamentos e tormentos
Enraicidos em nossos sentimentos

Somos a pressa de sermos amantes
Remédios de sermos principiantes
Das autopsias poéticas em chamas

Somos a chegada do destino inventado
O mergulho tacido mal organizado
Nos portos encalhados das almas.

Um comentário: