PRIMAVERA

Um poema de PAULA BELMINO

Colhem-se flores na alma,
no retrato,
intactas guardadas.
Deixam em paz o doce perfume,
vivem para sempre
na memória do afeto.
Por toda vida perfeitas
e coloridas as flores.
Continuarão pós-estação,
vigiadas no meu olhar
para deixar o jardim enfeitado e,
na alma terna de flor,
a constante primavera.

2 comentários: