ESPELHOS

Um poema da ÍNDIAONHARA 


Num cenário de nuances delicadas
em tons blues, lilases e carmins,
os cheiros embriagam os sentidos e,

refletem no espelho as linhas dos tempos idos.

Silenciosos,
nos encantos perdidos
e encobertos de - lírios, descortinam
gemidos, destemidos.

Nos olhares intensos - selados em homessa;

suculentos lábios de cores mescladas,

de almas e desejos ardentes,
na pele de homem e de mulher
desnudos, entrelaçam-se
em sussurros, beijos e abraços.

Na palidez & êxtase em cumplicidade,
e no desejo voraz em gotas de embriaguez,
espargindo doce lavanda de suor e de prazer,
a pureza & a impureza enlaçam os poetas,

num cálice de cheiros, tatos e olhares em delírio.


Nenhum comentário:

Postar um comentário