DILSON FERREIRA • Um Poeta de Ouro

DILSON FERREIRA DA SILVA Nasceu em 03/03/1951 em Fortaleza/Ceará e com 07 anos de idade veio para Natal/RN, onde se considera um genuíno potiguar papa-jerimum. Estudou até o Ensino Médio e trabalhou na área de recursos humanos durante 35 anos em várias empresas, estando hoje aposentado. É casado com Maria Salete Sousa Silva e tem duas filhas: Samantha e Sabrina. Faz parte da Sociedade dos Poetas Vivos a Afins do Rio Grande do Norte - SPVARN . "ARTESANAL" é o seu primeiro livro solo, feito de modo artesanal mesmo, daí o sonoro título. Participou das Antologias “O Melhor de Poesias Encantadas VII  – 2014”, “Talento Poético – 2015” e “Poesias Encantadas X - 2016”,  todas publicações organizadas por Luciano Becalete. Em 03/05/2017, publicou “ARTE e FATOS: meus poemas”, seu 2º livro, também com a Editora Becalete/SP. Endereços para correspondência: E-mail: dilsonfs51@hotmail.com.  Site do escritor: www.recantodasletras.com.br/autores/dilsonpoeta. Dilson Ferreira da Silva é um Poeta de Ouro...

  
"Nenhum grande artista vê as coisas 
como realmente são. Caso contrário, 
deixaria de ser um artista". 
                                 (Oscar Wilde) 
 
 SONETO TERÁPICO! 
 
Muito bom é o Sarau Terapia 
Da Sociedade dos Poetas Vivos, 
Onde todos mostram seus motivos, 
Pra cada um vestir uma fantasia. 
 
Artistas moços, velhos inda ativos, 
Desfilam seus motes com primazia 
Que o aplauso da plateia propicia 
Pra que da arte sejam vates altivos. 
 
E vão, em prosa, verso e melodia, 
Fazendo da vida só alegria, 
Deixando lá fora a tribulação. 
 
Enquanto os outros com dom e magia 
Declamam os encantos da poesia, 
Eu canto a poesia, ao som do violão! 
 

  
 "Vigiai e orai, para não cairdes em tentação, 
pois, de um lado, o espírito está pronto, mas, 
por outro lado, a carne é fraca”.(Marcos 14:38) 
 
 VIGIAR, ORAR, SEMPRE... 
 
E assim, nos foi dado o sacrifício, 
Por causa do pecar, que a contra gosto 
Deus nos fez comer do suor do rosto 
Ao arbítrio de escolhermos o ofício. 
 
E o sacrificar-se pra nós foi posto, 
Em provações, males, precipícios, 
Nas rusgas contra tantos malefícios, 
Para que o gosto derrote o desgosto. 
 
Em holocausto, a fé lúcida condiz 
Com glórias... Chuvas de bênçãos que cai 
Lavando a alma de quem quer ser feliz. 
 
Ofertas de amor: fé no Filho e no Pai 
Às lutas vencíveis, quando Deus diz: 
"Vigiai e orai, sempre, orai... vigiai..." 
 

  
 "E que a minha loucura seja perdoada. 
Porque metade de mim é amor e a outra 
metade também."(Oswaldo Montenegro) 

 
PORTO SEGURO! 
 
A nuvem negra que passa 
lá no éter, não sou eu, 
pois, não sei voar... 
Aquele barco que singra 
o mar afora, não sou eu, 
pois, não sei nadar... 
 
     Não posso ser o seu sol 
     porque já é noite 
     com praia, mas sem luar... 
     Se quiser ser minha estrela, 
     não quero... Estrela dá 
     trabalho pra lustrar! 
 
Seja só minha mocinha 
na garupa do poema alado 
em auréola bem branquinha 
clareando a nuvem negra 
que passa, pousando no seu 
porto seguro, que sou eu!!! 
 

"O ouvido humano é surdo aos 
conselhos e agudo aos elogios." 
             (William Shakespeare) 
 

     S A P I E N T E S ! 

 
     Não 'tou falando besteira 
     Contra a corrupção robusta 
     A justiça brasileira 
     Na punição, é injusta! 
 
Se das dores tu não gostas, 
Meu avô sempre me disse: 
"Se não fosse a dor nas costas, 
Seria boa a velhice!" 
 
     Velhice não me convém 
     Pelo cansaço que pinta 
     Queria chegar aos "cem" 
     Com todo o vigor dos "trinta"! 
 
Jesus, Príncipe da paz, 
O meu Mestre e meu Senhor, 
Somente Ele é tão capaz 
De atender o meu clamor. 
 
     Não saio fora do tom... 
     É como vovô dizia: 
     "Se conselho fosse bom, 
     Não se dava; se vendia!" 
 

"O beijo é a menor distância entre dois 
apaixonados."               (Amy Banglin) 
 
 
     G O S T O S ! 
 
Gosto de picolé de umbu-cajá 
De rapadura batida do Ceará 
Do que não tem fim, mas teve início. 
Amo a cocada preta com amendoim 
Bolo de batata-doce ou de aipim 
Tudo aquilo que chamam: - vício! 
 
     Adoro ver no céu a lua cheia 
     De andar na praia sobre a areia 
     E de poetar o mar com o meu dom. 
     Mimo a amada de noite e de dia 
     Desejo qualquer coisa que vicia 
     Desde que esse vício seja algo bom. 
 
Nada de andar à beira do precipício 
Ou de ter a "propina" como ofício 
Pois odeio ficar preso numa cela. 
Anseios os lábios da minha amada 
Boca sabor de queijo com goiabada, 
Por isso sou viciado nos beijos dela! 
 

“A mulher é um efeito deslumbrante 
da natureza” (Arthur Schopenhauer) 
 
COISAS DA FAZENDA! 

Na roça da fazendinha 
Do milho faço paçoca 
O cuscuz e canjiquinha, 
Da raspa da mandioca 
A goma vira farinha 
Pra gostosa tapioca. 
 
     No rio da fazendinha 
     Com a vara de pescar 
     Pego tilápia e tainha 
     De dois metros para lá, 
     Se isso for mentira minha 
     Deus venha me perdoar. 
 
No luar da fazendinha 
Mil histórias pra contar 
Xote, forró e modinha, 
Pro sanfoneiro tocar 
Eu pego a Sinhá Rosinha 
E com ela vou dançar. 
 
     Na casa da fazendinha 
     Fica o meu lar doce lar 
     Lá na mesa da cozinha 
     É tão farto o meu jantar 
     Depois eu armo a redinha 
     E com Rosa vou amar! 
 

"Vivemos em uma época perigosa. O 
homem domina a natureza antes que 
tenha aprendido a dominar a si mesmo." 
                            (Albert Schweitzer) 

 
C I B E R N É T I C A ! 
 
Tempos modernos, no acesso virtual. 
Messenger no face, pro ágil recado 
Meu estado bem próximo ao seu estado 
Pondo selfies na amizade digital. 
 
É logo ali a cidade de Natal... 
Pois a Net me fez a você mais ligado 
Não mais anônimo, sigo antenado; 
Agora, eu sou um poeta federal! 
 
Hoje quem nasce já tem na genética 
O DNA e os macetes da cibernética 
Que na telinha do whatsapp tanto atua. 
 
A lua surge por detrás do edifício; 
Por isso hoje na cidade é tão difícil, 
Pra que o poeta veja o nascer da lua. 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário