CIVIL GEOMETRIA*:

OS ÚLTIMOS ANOS DE VIDA DE ZILA MAMEDE E A SUA DEDICAÇÃO À OBRA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO SOB ÓTICA DE JOSÉ E. MINDLIN**


Enquanto Zila Mamede dedicava quase dez anos ao planejamento e à elaboração de uma bibliografia ativa e passiva de João Cabral de Melo Neto, não podia imaginar que esses seriam também os últimos anos de sua vida, como tão pouco o imaginavam os amigos que acompanhavam seu trabalho com interesse e admiração. Infelizmente, foi o que aconteceu: no dia 13 de Dezembro de 1985, a morte a foi buscar numa praia de Natal, pondo termo, de forma chocante, a uma vida de grande atividade cultural e artística, e de grande simpatia humana.

Foi um acidente que a todos surpreendeu, mas ao menos o destino permitiu que Zila Mamede tivesse conseguido terminar pouco antes a obra à qual se vinha dedicando desde 1976: esta " Civil Geometria ", que compreende informação completa sobre tudo quanto João Cabral de Melo Neto produziu durante cerca de 40 anos, e tudo quanto sobre ele se escreveu, aqui e no exterior.
Só não concluiu a introdução com que pretendia apresentar a obra. Esse texto, mesmo inacabado, nesta edição se reproduz em fac-simile, por ser um documento expressivo e tocante. Por esse texto pode-se ter, aliás, idéia da complexidade do trabalho que empreendeu, e que o próprio autor estudado considerara impossível.
A pertinácia, a meticulosidade, o zelo e o amor à poesia de Zila Mamede demonstraram, no entanto, que o trabalho era e foi possível. Assim, graças ao seu esforço, tem agora os estudiosos da obra de João Cabral de Melo Neto um precioso manancial de informações bibliográficas, arquivos e coleções particulares, e, portanto, praticamente inacessível. Trata-se de uma obra que por si só consagraria Zila Mamede como pesquisadora. Quer dizer, então, quando se recordar que, antes dela, Zila havia publicado uma bibliografia verdadeiramente monumental de Luís da Câmara Cascudo, abrangendo 50 anos da obra desse grande escritor?
Meu conhecimento com Zila Mamede deu-se na década de 70, através de João Cabral, e a propósito da pesquisa que ela empreendera. Converteu-se logo numa amizade pessoal, e Zila várias vezes trouxe para nossa casa paulista o calor de seu entusiasmo nordestino. Na biblioteca aqui de casa - que se orgulha de sua " cabraliana " - fez várias pesquisas, e a obra de João Cabral foi objeto de muita conversa e de muita leitura em voz alta, o que aconteceu também algumas vezes em Natal. Mas não somente a obra de João Cabral, e sim a obra da própria Zila, poeta sensível e inspirada. Esse é um traço que merece ser mencionado: a par de seu exaustivo trabalho de pesquisa, que envolveu consulta a centenas de fontes de informação, e uma extensa correspondência no Brasil e lá fora, trabalho esse por definição absorvente ao extremo, Zila Mamede não deixou de fazer poesia. Em plena atividade de pesquisadora, à qual se somava seu trabalho de bibliotecária da UFRN, Zila Mamede publicou 7 livros de poesia - Rosa de Pedra, Salinas, O Arado, Corpo a Corpo, Exercício da Palavra, Navegos, A Herança, que lhe asseguram um lugar de destaque na poesia brasileira, embora não seja talvez tão conhecida quanto sua obra mais do que justificaria.
Este livro realiza um grande sonho acalentado por Zila Mamede. Se o destino não permitiu que ela visse publicado o seu trabalho, com sua edição se presta à autora merecida homenagem. E se faculta aos estudiosos de nossas letras um valioso instrumento de trabalho. Cabe aqui um agradecimento às entidades que tornaram esta edição possível: a Edusp, o Governo do RN, sendo governador Geraldo José Ferreira de Melo, a UFRN, quando reitor Genibaldo de Barros, o INL, e a sociedade Vitae - Apoio à Cultura, Educação e Promoção Social.


JOSÉ E. MINDLIN

São Paulo, Outubro de 1987

*Literatura Potiguar, Edição Nobel/Edusp/INL/Vitae/Governo do Estado do RN, Ano 1987, CIVIL GEOMETRIA*, Zila Mamede. Bibliografia Crítica, Analítica e Anotada de João Cabral de Melo Neto - 1942 a 1982.

**Texto divulgado por ORENY JÚNIOR em seu perfil 

Nenhum comentário:

Postar um comentário