A POESIA CONFESSIONAL

Da Poeta maranhense JULLIE VEIGA

O INSTANTE DE TUA AUSÊNCIA 

Com os olhos
Chovendo
... um temporal
Eu te escrevo

Abro o coração
Rasgo a alma
... e te escrevo

... uma carta
E outra
E tantas

Sigo escrevendo e te amando
Além das coisas sentidas
Além das coisas dizíveis
Além das coisas visíveis

A tua partida me deixa
... à beira da margem
... à beira de mim
... à beira-mar
Beirando passos
Em todas as vias

Nas horas do tempo
Na correria dos ponteiros
Nas nuvens sobre nossa casa
- nosso templo -

O céu se acinzenta
O teto do mundo meu lamenta
O tempo de tua ida
E fico chovendo com a chuva

Nas asas do vento
Em Ícaro
Em uma quase morte minha
... voando
... sonhando
... querendo-te de volta

Estou nas garras da saudade
- devoradora minha -
Desde que te foste
Deixando-me cheia de tua ausência
Sempre tão presente

E a mim ensinas sobre o amor
Mesmo quando te vais
... temporariamente
E permaneces habitando
As minhas lembranças
Os meus quereres

Já espero-te
Com as palavras nos olhos

Que me leias
Sem pressa, mais uma vez
Encharcando-te comigo
No mar de meus olhos
No mar de amar o teu regresso


DECLARAÇÃO DE AMOR (Parte I)

O dia me amanhece
Me compõe cenários
... de paraíso.

E eu te entrego tudo o que nasce
... comigo.

Cada letra.
Cada palavra.
Cada expressão.

Tudo o que juntei durante a noite
enquanto eu madrugava
e tu dormias.

Cada pedaço de céu.
Todos os rastros do luar.
Cada pontinho estelar
e os raios de Sol que rasgaram
... os véus do dia.

Quero ir
... indo.

Pés descalços,
te sentindo.

Em teu solo
... para renascer.

E renasço
… em ti.
… contigo.
… tua.

Sinto o teu ar
e o teu chão fecundo.

Então, derramo-me
em teu corpo
sendo raiz de ti.

Eu, semente.
Também vaso.
Me pega!
Me rega!
Me leva!
Eu vou.
Eu, flor.
Eu, tua!

Tu, oásis;
água de meus desertos,
amor que me mata
... a fome e a sede.
Que me sacia!

Tu, somente tu!
Somente em ti.
Por ti.
Para ti.

Te colhi mundos, universos…
E nada é tão grande
quanto o amor que me sublima.
Nada é tão imenso
quanto o êxtase de estar presa
... em teu olhar.

E eu te amo!
Deus, como eu te amo!

Amo além do que as palavras alcançam.
Amo além do que é eterno.
E te grito o amor, dentro.

É o amor que me grita
e que te grita
… em mim.


POESIA TEM VIDA PRÓPRIA, TEM ALMA PRÓPRIA 

Não faço poemas por querer
As letras é que querem chegar
E chegam
As palavras é que querem nascer
E nascem

É como a criação dum novo mundo
Um universo paralelo
Que a poesia me deixa adentrar
E me faz partícipe

Forçar o nascimento de uma poesia
É violar o seu direito de querer ser
É constranger o que sente a sua alma

Sinto a poesia como uma divindade,
um ser de luz
… divinamente perfeito
Sem um corpo como o meu
Mas que o meu usa
Numa quase psicografia do que sente
Como soubesse o que posso verbalizar

Sim, usa-me completamente
Desde os sentidos todos
Usa os meus movimentos
Até quando me encontra
Por vezes, cansada e frágil

Usa minhas mãos
Usa o meu falar
Cada silabar
Usa meu silêncio

E quando parte
Me deixa em hiatos
Me deixa também mais forte
E presa à minha sorte
De ser poeta

Fico sempre à espera do que virá
Do que não conseguiria criar
... por mim mesma

Quando chega
Vem autenticando o seu poder
... sobre mim
Carimbando-me

Sem alarde
Sem propaganda
Sem apelo
Apenas uma procela
dos seus sentimentos
... em mim

Tomando posse
do nascimento de cada escrito
como se, ali, nascesse uma estrela
no universo mágico das letras

Vou transcendendo
Em toda palavra que chega
Em toda palavra que fica
Em toda palavra que vai

Nenhum comentário:

Postar um comentário