03 POEMAS DE RODRIGO S. ROSA

Três poemas do Poeta carioca RODRIGO S. ROSA

Espírito, até quando tu vás segredar,
Toldando minha carne,
Abrindo-me os ventrículos,
Fazendo-me feitos de sua arte.
Preceptor, faça-me novo,
Apagando a vela da dor,
Já não sou mais Lázaro,
Lambendo feridas do passado.
Renova-me, inabalável,
Ósmio do acaso dos seus braços,
Modelando em teus dedos,
Meus pensamentos e meus feitos.
Acolhe a súplica,
Como visto-me de ti,
Tendo alma desnuda.



Explicar o amar
É como dizer aos ventos,
Palavras leves, como pena,
Ao relento dos milênios,
Planando nas vidas já vividas,
Almas tão apaixonadas,
Como amigas,
Laços tão fortes,
Como o aço,
Corações tão amáveis
Quanto frágeis.
Ora, Espírito meu,
Pouse sobre o que é seu,
Escolha a morada da alma,
Para que tudo termine,
Feito os contos de fadas.


O MAIOR DE TODOS 

Ainda que o amor, percorresse
Todo o meu corpo,
Como uma teia gigante,
Preenchendo as veias,
Escorrendo pela terra,
Abalando os montes.
Ainda que reunissem todos;
Poetas, filósofos e teólogos,
Não haveriam palavras,
Capazes de expressar,
O quão grande.
Vejo o amor em todo o mundo,
Até em tristes horizontes,
Provando que o amor sempre vencerá,
Até o coração dos mais duros homens.

Um comentário: