Viagem inesperada • Dorinha Timóteo



                          Ao meu Pai

Quando te vi no horizonte cinzento.
Seguindo outra direção.
O vento soprando teus cabelos brancos
E o tempo te levando pela mão.
Olhei para trás e percebi
Que o tempo passara depressa.
E em teu rosto deixara marcas expressas.
Roubando-nos a melodia da canção.

Lembrei das conversas que não tivemos.
Da saudade que não sofremos.
Da tua mão que não tocara a minha mão.

Hoje, já faz algum tempo.
O trem que seguiu por aquela estrada.
Partiu sem hora marcada.
Sumiu, não voltou mais.

Aqui deixou uma saudade.
Naqueles que o esperam com ansiedade.
Que sabem que no trem virá a paz.

O trem que partiu de repente.
Virá a qualquer momento.
Ressurgirá trazendo alegria, amor e paz.


Dorinha Timóteo

Nenhum comentário:

Postar um comentário