Versos para meu Pai • Eva Potiguar



Pai, rima com dor
Quando é canção de amor
Uma palavra tão simples
Uma função tão íngreme
Como ladeira de pedras
Perfumada de Flor

Não tenho  rimas agora
Que cantem tuas pegadas
Não há versos impressos
Que cubram tuas estradas
Mas soluços imersos
De saudades enrugadas
Da criança sem palavras
Que nas tardes esperava
O sorriso que lhe abraçava

Noites com sabor de café
Dias com perfume de hortelã
Cobertor de esperança e fé
Tudo tão mágico a cada manhã
Levados nas teias do tempo
Trazidos pelos risos no ar
Meu pai, sem rimas de ventos
É rocha que enfrenta o mar!!

 •

Eva Potiguar
Para seu pai Eduardo Pinheiro e todos os pais que são rochas de amor sem par.



Nenhum comentário:

Postar um comentário