SETE POEMAS

Com o Poeta RAIMUNDO LONATO

O IMPONDERÁVEL

O pouso de uma borboleta
nas mãos e um sorriso abrindo
portas no escuro do mundo.


O ARREPIO

É insustentável o arrepio
na hora da lâmina  nos olhos
carregados de rios
 em tormentas.

Qual o peso exato do mundo
e a parábola que se curvou
em nós?

Digo em contraponto:
o céu inverte sinais...
abençoa os sentimentos
mais profundos.


O GUAPO

Num automóvel de luxo
o guapo passou no centro
da cidade cinza.
De terno importado
e a alma sem medo
do destino.

Os olhos convidaram-me
para assistir aos filmes de
Win Wenders e Godard.

Pelas ruas retas, sumiu.
Vasculhei o mundo,
consultei os monitores
da vigilância urbana
e nada...

Partiu num voo fretado
rumo a estação de Marte.

Resta-me seguir o exemplo
das amantes fervorosas
da Galileia.

Fazer sacrifícios à meia-noite,
 cair de joelhos, dizer salmos
e aguardar os sinais divinos.

Nesse instante
treino a alma para
sonhar em cores.


A NOITE

Palavras que não gosto
teimam em desbotar
 vestidos bordados
com margaridas.

No ar abandonando-me em desejos
enquanto a noite quebra  silêncios.

Lave-me os pés
 nas águas do rio Jordão.
Os mesmos pés quase
cansados de seguir-te.

Quebre espinhos na alma
 cheia de sentimentos e
nenhum castelo para
o teu abrigo.


ALMA TARDIA

Cai uma folha no lago.
Em ondas nascem dúvidas
na alma tardia.
  
Sonham os olhos estáticos
e a boca cheia de palavras
para dizer-te amanhã.

{Vejo um muro colorido
 nos teus olhos...}

Vês uma cidade trágica.
Qualquer chuva delicada
o vento acolhe.

Um poema adormece na alma
e furta-me os pincéis do chão
sagrado.

Converta-me num anjo embriagado.
De súbito, tocam blues nos céus.

Tocam todos os sinos
numa tarde de domingo.
A boca imóvel,  cala-se
na hora da fuga.

Num mundo de águas mornas
o vento trás a chuva fina.
Traga-me a leveza das horas.
no movimento das tuas asas.


COISAS DA FALA

Desejas controlar meus gestos?
Minha alma não inspira a geometria.
Às vezes multiplica sentidos
e afagos nas horas de amar.

Não és Judas para trair-me com beijos.
Não escreva tratados de inocência.
Vejo nos teus olhos coisas de falar...

Desorganiza minhas gavetas,
desconfigura  meus nervos;

Tens no sangue, whisky
água de coco e guaraná.

Apreenda a falar eu amo em chinês
e pare de cortar corações de papel.

Prepare um poema em alemão
e inunde-se de lembranças alegres.

Diga frases de Clarice Lispector,
Mia Couto e Fernando Pessoa.

Quem sabe as horas afinam-se
sem ameaças de temporais?

Se preferir, ouça uma prece
de São Francisco de Assis.
De repente, os olhos
soltam-se do chão.

Às gargalhadas,
deus cobiça os rios
 nas tuas margens.

INSUBORDINADO 

Insubordinado,
o amor abre asas.
De tanto voar,
adormece e cai
nos meus braços.

É insustentável o arrepio
da lâmina  nos olhos
transpassados de rios
em tormentas.
  
Qual o peso exato do mundo
e a parábola que se curvou
em nós?

digo em contraponto:
o céu inverte sinais...
abençoa os sentimentos
mais profundos.

Um comentário: