SETE POEMAS ERÓTICOS DE RICARDO MORAIS


RISCOS E PERIGOS


Nesta cama a chamo de puta,
Não por profissão, apenas emoção,
Nesta cama a chamo de minha,
Não por posse, mas por paixão,

Quando em língua me sirvo assim
Salivando dela gemidos sem fim
Mãos por ela em mim ereto
Ao prazer estamos retos

Então nomeamos os sexos
Buceta é ela em céu aberto
Caralho é o verso que a entra certo
Senta-me em interno amplexo

Complexos são então os sentimentos
Misturando eternidades com momentos
Movimentos dum entra e sai suaves e intensos
Gozos indistintos de histórias ou ressentimentos

Mas em buceta não me contento
A quero em outro lado arregaçado
Valho-me dum cuspe por ela lançado
Lubrificado, dela os glúteos adentro

Tempo não sendo medido
Eis novo coito acontecido
Desta vez sem parental perigo
Dessa puta, sou cliente amigo

Sou dela amante, mocinho, bandido
Ela me é vadia, amiga, alívio
Sou dela risco de prazer consentido
Ela me é perigo de amor ao convívio...

  
LEMBRANÇAS E SONHOS


Eis a razão deste sonho libertino
Uma mistura de fantasia com destino
Lembranças da última dança dela comigo
Não aquela acompanhada de música e ritmo

Dança que mistura suor e gemidos
Divertidos movimentos de corpo inteiro
Arteiros olhares safados descabidos

Vivos ambos estamos, nos apaixonamos
Nos amamos dias e noites, minutos ou horas
Quando de ir embora, não vamos

Recantos não recatados
Tecidos descascados do corpo
Gozo despindo-se e enviando recados
Quer um sopro lambido ou penetrado

Ela e eu na paciência da rima
Ela e eu nessa cadência de passo
Ela e eu em proficiência de língua

Coisa linda vinda sem esforço
Sabor gostoso que a ela vem no corpo
Me presto ao teu prazer louco
Quero mais, isso pra mim é pouco

Descansamos e vamos de novo
Tal ponto sensível está explícito
Orgasmo é risco que a ela dedico

As coxas dela aos meus ouvidos
Apertos enquanto a atiço
Língua e saliva ativas no viço
Encaixe atrevido, pra ela gozar comigo...

  
ALVORECER CORRESPONDIDO


Dia nem claro nem escuro, acordo e te juro meu amor em tesão,
sensação inquietante e correspondida em mesmo instante,
um amanhecer amante de corpo e coração,
ambos despidos de roupas e pudores,
nos entregamos aos prazeres dos gritos sem dores,
pouco importa os valores dos demais moradores,
o domínio aqui é do prazer,
fazer e acontecer a qualquer hora que a vontade florescer,
e nesse alvorecer lá vem ele,
o sol vestindo o céu de instantes,
ora douro manto quente e distante,
ora cálida luz que tudo entardece,
fagulha cheia de brilho ao trêmulos olhos,
faiscando gozo num grito cada vez mais alto e louco,
emudecido num beijo intenso e doido,
vitória do desejo no lampejo de realidade,
antes que a primeira hora marcada desperte,
um momento intenso e breve energizando alma,
carne e pele nesse amor que da noite  nos despede,
apresentando novo dia de maravilhosas ousadias,
te sentindo por dentro e por fora a toda hora,
das auroras aos poentes da vida,
ao que nem ouso falar das madrugadas despertas,
pele com pele aquecidas entre tu e eu,
algo de bom que simplesmente aconteceu,
se renovando a cada verso e prosa meu contigo,
sendo nós amantes, amores, amigos,
sabores, carinhos, tesão, libido,
e muito mais que apenas isso,
sem vício ou desperdício,
com todos os prazeres e riscos
de amar demais do fim ao início...

  
TENTAÇÕES E DEVANEIOS


Te leio em diurnos devaneios
Te desenho a cada alheio momento
Te escrevo em noturnas razões
Te sopro soturnos encantos
Te discurso ao vento da tarde
Te sigo de vênus a marte
Te tenho tentações em alma e carne
Te devoro agora, não para depois
Te provoco gozo, a sós, a dois
Te atiço brasas em ardentes vícios
Te alicio o tesão e loucos gemidos
Te tenho assim pra sempre comigo...

  
EU CANIBAL


É um entra e sai vigoroso, teimoso, gostoso,
Brigando com o tempo, resistindo a tentação do gozo,
É mão, boca, inteiro corpo, é desejo, aperto, lambida, gostos e cheiros,
É paradinha em meio de caminho, carinho, troca de olhares e obscenidades,
É na cama, em pé ou em lugar qualquer,
É um homem e uma mulher,
É loucura em ordem qualquer,
É contigo que o meu eu canibal quer!

  
TUAS PARTES AO TODO


Pele, que eriça pelos ao toque de desejo
Boca, que tem dentro briga de línguas loucas
Sexo, que o teu ao meu engole, envolve e sacode
Olhar, que mira em mim o teu antropofágico paladar
Bunda, curvas lúminas, percurso maluco de meu dedilhar
Pernas, caminho longo e sem pressa praquele lugar
Peitos, ardentes desejos doutro tipo de mordente beijo
Coração, o teu é meu sol em fornalha de emoção
Alma, em alegria e tentação, lavada sob suor e lágrimas de tesão
Mãos, que nos passeiam parceiras faceiras, ligeiras ou não
Pés, aos teus entrego explícitos beijos, te despertando mulher
Outras partes quaisquer, te fazem um todo que o meu eu quer...
  

TIQUINHOS DE COTIDIANO


Só de calcinha, aquela folgada
soltando fiapo do elástico em costura macia,
numa harmonia que só os anos de uso lhe dão,
conforto e liberdade são da vez sensação...

Camiseta que cobre peitos soltos sob gostoso algodão,
amarrotada na emoção de tantos sonos e sonhos,
transformando tecido em segunda e delicada pele,
que aquece e acaricia a matutina espreguiçada leve...

Linda menina, a quem admiro deitada na cama,
vou despertando devagar, sem dramas,
beijinhos em campanha na réstia de sol da janela,
te fazendo sorrir de olhos fechados sob luz amarela...

Minha menina,
pela manhã,
dou e desejo,
beijos e abraços,
Amor em compasso,
Carinhos e sexo mágico,
tiquinhos de cotidiano passo a passo...
  

SIMPLESMENTE
  

Fios de cabelo que guardam teu cheiro
Onipresente maresia em teu tempero
Gosto de sol e mar em teus arrepios
Em tua pele com meus lábios vadios

Passeio eu aos beijos por teus desejos
Lampejos mistos entre tesão e carinho
Brindo e bebo ao tom de teus gracejos
Donde tu es taça, vinho e profano ninho

Caminho recurvo de teu corpo desnudo
Em louco lobo te ataco e mordo
De ti não quero nada, apenas tudo

Te invado e devoro, atrevido e faminto
Tenho contigo o meu peito saciado
Ato findo, simplesmente amor te sinto



RICARDO MORAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário