SETE POEMAS ERÓTICOS ♣ 2ª EDIÇÃO


HOSPEDEIRA

Rompeu um silvo pavoroso
e encheu-me as entranhas
de assombro,
medo e gozo.

Causou fissura no Tempo
– grito intrauterino,
intravenoso –
trespassou a borda do Universo.

Voluntariosa criatura,
gêmeo univitelino
perigoso, diverso.

Cara-metade escura,
face escondida da Lua,
meu reverso

Desarticulou meu cerne,
chutou-me aqui dentro,
bateu-me para sair
até rasgar a carne.
— Hóspede traiçoeiro!

Foi assim que nasceu
 – como um oitavo passageiro –

meu outro Eu.


FLÁ PEREZ


LÚBRICAS LEMBRANÇAS

Lembro-me de Lenira,
língua em  labaredas,
lambendo, lascivamente...
Em lúbricas lembranças
levo a lida livremente.

Lembro-me de Lavínia,
levada e longilínea,
lábios lânguidos,
sob lençóis de linho,
liberando a libido leonina.

Lembro-me de Letícia,
loura legítima ao luar, 
lira, lírio, louvor,
labirinto de loucuras
na leveza do livre-amor.

Lembro-me de Laura,
lepdóptera libélula,
líquida, límpida lança,
legítima e luminosa,
lenitivo das lembranças.

Lembro-me de Leda,
lapidado lápis-lazúli,
lantejoula e licor,
límpida e louçã lusitana
lecionando lições-de-amor.

Lembro-me de Luíza
lépida, luxuriosa,
linda e leve lingerie,
longas e largas ilhargas,
levitando no meu leito.

Lembro-me das lendárias
Lisabetes, Lenilzas, Lenilces,
Larissas, Leocádias e Leontinas.
Lúcias, Lanas,  Ludmilas,
Lumas, Lilianes e Liduínas.
Lanço loas e louvo-as:
lindas lobas, loucas, libertinas.


MÁRIO DE NÁVEGA

Mario de Návega, poeta e dramaturgo madrileno, que viveu entre o final do Séc. XVI e início do Séc. XVII.  (Tradução para o português, José de Castro).


A MULHER OBJETO

Primeira parte:
O que será que a agulha sente
quando passam a linha por ela,
será que ela sente dor?

Será que ela sente prazer?
Ninguém se preocupa em saber.
Eu sou como a agulha.

E quando a linha está passando,
eu finjo que estou gostando,
faz parte do meu trabalho.
É assim que pensam os insanos,

Estou casada há muitos anos.
Uma mulher como eu,
sempre mente.
Mente o que não sente,
mas sente muito o que mente.

Assim como a agulha,
eu costuro, lavo e passo.
E às vezes, até me entusiasmo,
mas meu marido nunca pergunta
se eu já cheguei ao orgasmo.

Ele me deixa no agulheiro.
Só trabalho quando ele quer.
E ele ainda me diz:
É para isso que serve a mulher.

Vou sair desse agulheiro,
procurar no mundo inteiro
o homem certo para mim.
Sem essa de meu marido,
sem essa de minha mulher.
Agora, no buraco da minha agulha,
só vai passar a linha,
o homem que eu quiser.


CLAIRE REGINA FELIZ


AULA DE AMOR

Mas, menina, vai com calma
Mais sedução nesse grasne:
Carnalmente eu amo a alma
E com alma eu amo a carne.

Faminto, me queria eu cheio
Não morra o cio com pudor
Amo virtude com traseiro
E no traseiro virtude pôr.

Muita menina sentiu perigo
Desde que o deus no cisne entrou
Foi com gosto ela ao castigo:
O canto do cisne ele não perdoou.


BERTOLD BRECHT


SUGAR E SER SUGADO POR AMOR

Sugar e ser sugado pelo amor
no mesmo instante boca milvalente
o corpo dois em um o gozo pleno
Que não pertence a mim nem te pertence
um gozo de fusão difusa transfusão
o lamber o chupar o ser chupado
no mesmo espasmo
é tudo boca boca boca boca
sessenta e nove vezes boquilíngua.


CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE




CIO

Entre as pernas te prendo
serpente e presa em duelo

Instintivos golpes
em obscena estratégia
– despudorada arma

Vitoriosa
bebo em teu cálice
o sêmen

...chove sobre o cio.


GLÓRIA SARTORE



AMOR E SEXO

Amor é um livro
Sexo é esporte
Sexo é escolha
Amor é sorte

Amor é pensamento, teorema
Amor é novela
Sexo é cinema

Sexo é imaginação, fantasia
Amor é prosa
Sexo é poesia

O amor nos torna patéticos
Sexo é uma selva de epiléticos

Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval

Amor é para sempre
Sexo também
Sexo é do bom...
Amor é do bem...

Amor sem sexo,
É amizade
Sexo sem amor,
É vontade

Amor é um
Sexo é dois
Sexo antes,
Amor depois

Sexo vem dos outros,
E vai embora
Amor vem de nós,
E demora

Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval

Amor é isso,
Sexo é aquilo
E coisa e tal...
E tal e coisa...


RITA LEE



Um comentário: