SETE POEMAS DE CIDA RIBEIRO

A versátil inspiração da Poeta carioca CIDA RIBEIRO

INUSITADO
 •
Foi feito o Sol nascendo
no meio da noite,
que ontem à noite eu amei você
Inusitado, mágico...
coisa rara de viver
No amor fazíamos sonhos 
E você me dizia:
Morro de vontade de beijar você 
Meus lábios salivaram...
Eu pensei:
Eu não morro, eu vivo de vontade de beijar você 
Sentir teus olhos mergulhados 
Nos meus 
Teus desejos fazendo jus aos meus
Te queimar com o brilho do meu olhar 
Trazer a claridade no breu
Te amar horas a fio no branco leito 
Com nossos corpos 
Escrevendo num êxtase conjunto
....O POEMA PERFEITO.


TATUAGEM
 •
Vou gravar
tua epiderme
Com marcas
indeléveis
Formar palavras 
Traços e rimas exatas
Pintar e bordar 
Tua tão perfeita pele
Em teu corpo 
fazer obra de arte 
Em hindu
formas origamicas
E hebraicas
Deixar minha caneta 
Correr solta 
pela tua pele
Feito poesia bordada.
Tatuar em ti
Meu poema
mais libidinoso
Nos teus olhos
O sofrer mais gostoso.
Fazer em ti gravuras
Em tons coloridos,
e perfeito
Com tinta extraída
da flor do sabugueiro
Minhas mãos de artista
Quero que sintas
Não te preocupes
se explodir de Amor
E num momento de fervor
Me tatuar com tua tinta.


SUAVIDADE
 •
Pus a alma na porta
Na cozinha
um aroma à café
Sim, eu sei que você gosta 
Mas quer sentir 
meu gosto de mulher 
Feito pluma 
Teu desejo encaixa em mim
Servir-te-ei 
Ao modo expresso 
Acompanhado 
De batom carmim 
Teu beijo forte
Atiça meu paladar 
Mas foi tua suavidade 
Que beijou em mim. (...)


OLHOS CASTANHOS

Pelas sombras de meus olhos castanhos
te sinto profundo
Num semblante siso
Achas o mundo em volta estranho
Enquanto contemplas sorrisos
Não sabes que lábios sorriem
Por vezes triste
Pois que a vida obriga
A sorrir de assalto
Com as mãos para o alto
com sua arma em riste
Tomara que dia desses
Ela te pegue desprevenido
E munida de arma branca [Paz]
Te arrance um sorriso
E me mande via Sedex 10
Pois é urgente, eu preciso!





VERSO BRANCO
Minha veia poética
não sinto sangrando
Num poema sem cor
numa folha sem escrito 
Estancou a poesia 
em verso branco
As palavras se esgotaram 
num verbo sofrido 
A poesia hoje desidratou 
Faltou-lhe o oxigênio preciso
Em minhas mãos o amor desmaiou...
É normal!
...Noutros dias, já o tinha subscrito!


ESPERA
 •
Há um jardim em meu corpo
Nele uma flor carmim
Exala perfume... [tu louco]
Vem! Embriaga-te em mim!
Planta tua boca num Beijo meu
Esvazia tua saliva em mim
Sente que teu profundo sou eu
Teu céu, lua, renda, cetim
Minha poesia viva declamada
Te provando que o amor existe
Vem! Já sinto a flor beijada
O teu verso quente, teu amor em riste...


AQUARELA DESBOTADA
 •
Hoje sou uma poesia
Descompassada
Palavras são versos
sem rimas...
Tu me pintasse 
uma aquarela desbotada
Não soubesses misturar 
as minhas tintas 
Tuas mãos de artista 
fora incapaz 
De decifrar 
meu colorido de flor 
Desenhastes 
cores alvas sem paz 
E um coração matizado 
Em tons vermelhos de dor

Um comentário:

  1. Uau, que lindo poetisa, sou seu fã, gostei muito, parabéns e continue assim sempre inspirad.

    ResponderExcluir