POETAS HOMENAGEIAM A CIDADE DO NATAL

Os Poetas CHARLAN FIALHOJOSÉ IVAM PINHEIRO e GERALDA EFIGÊNIA falam sobre a Cidade do Sol...
Imagem • Ricardo Morais
MUSA DOS POTIGUARES

Cidade de sol forte
De praias belas e
Águas mornas
De rio que encontra o mar
De povo hospitaleiro.

Natal cidade luz
De bares aconchegantes
Da Ribeira viva e andante
E berço do imortal
Câmara Cascudo.

Natal Cidade luz,
De paisagens exuberantes
De Reis Magos todo ano
Terra por Deus abençoada
Potiguar é teu povo Natal!


GERALDA EFIGÊNIA

      💐 💐 💐


NATAL, CIDADE SOL[1]

Naquelas praias meus sonhos se adornam
Meu universo instiga -me em um anexo de pensamentos...
Não sei se toda beleza soma grandeza
Se todos os amores roubados me fizeram sentir amado...
Mas sei o quanto aquela cidade me recebera, mui subitamente

Acolhido fui em suas noites
Suspirei profuso amores
Mergulhei naquele paraíso
A cidade dos encantos
Banhou-me com sentimento fértil
Tirou-me do tédio e recompôs minhas emoções
Natal, minha garbosa, terra de prosas

Capital sem igual, radiante...
Princesinha turística do Nordeste
Natal, és erva viva em minhas charges retentivas 
Seus labores supimpam o homem
Evoca em mim o teu regaço, me recebe em teus braços

Meu coração sempre intentou um amor potiguar
Quis-me aliciar em uma paixão de mármore
Vislumbrar o cinema de suas ondas fascinantes

Natal, cidade verdejante, simpática, aconchegante...
Escrevi seu nome em meu jardim
Quero ver-te em breve, lançar-me em teus lençóis carmins
   
Não esqueço de ti

  
CHARLAN FIALHO

[1] O poeta Charlan Fialho é de Piaçabuçu (Alagoas) e não conhece a cidade de Natal. Fez esse poema ao ser desafiado pela Revista de Ouro a prestar essa homenagem. E por imagens e leituras, ele compôs esse belo poema. Gratidão, poeta!

      💐 💐 💐

CIDADE DO SOL E DA ESPERANÇA

 Ao amigo Pedro Celestino Dantas Júnior – liderança comunitária da Cidade da Esperança.

Das dunas vejo zil telhados, edifícios e o azul céu.
Ao léu, e tão carentes de providências tem o povo,
e cada dia, a conta-gotas vem o sofrer de cada ser.
Mil promessas são esperanças repetidas de novo
na Cidade do Sol de desilusão de grande escarcéu.
Falta a condição de vida e sobra vontade de viver.

As paisagens da mente povoam os nossos espaços
E no semblante do homem que traça a sua jornada
com pureza surge a insofismável graça dos braços
São abraços de afagos e beijos afetuosos da amada.
Ah, Cidade de tanta esperança que alcança o amor,
não renegues a felicidade integral ao seu morador.


JOSÉ IVAM PINHEIRO






Nenhum comentário:

Postar um comentário