PALAVRATRIX:

reinventando os caminhos do poetrix - Por JOSÉ DE CASTRO

Creio que a maioria das pessoas concordará com quem afirma que o brasileiro é criativo. Afinal de contas, ele consegue sobreviver num país de altos contrastes, com uma pirâmide social excludente, altas taxas de desemprego, salários degradados. Mas não é objetivo deste artigo tratar desse tema. Mas evidenciar que essa mesma criatividade demonstrada na lida da vida também se expressa muito bem na literatura quando, então, dá show de bola, aliás, de palavra. Como Machado de Assis, Osman Lins,  Euclides da Cunha, José Lins do Rego, Rachel de Queiroz, Clarice Lispector, Ariano Suassuna, Câmara Cascudo e, mais modernamente, Bartolomeu Campos de Queirós, Mário Quintana e João Ubaldo Ribeiro,  dentre tantos e tantas. Temos o privilégio de ler obras como “Grande Sertão: veredas” de Guimarães Rosa, que nos leva a percorrer os caminhos das Gerais num caudal narrativo que abre trilhas para tantos outros que também vieram a ser criadores da boa literatura brasileira.   Na poesia, podemos citar Bandeira, Drummond, Quintana, Bilac, Castro Alves, Cecília Meireles, Vinicius de Morais, Ferreira Gullar. Sem nos esquecer da genialidade de um Leminski e dos versos pantaneiros do menino passarinho e árvore Manoel de Barros. E lembrar autores como Jorge Fernandes, José Bezerra Gomes, Auta de Souza, Zila Mamede, Luís Carlos Guimarães, dessas terras de Poti, entre outros.  Todos esses já se foram, mas deixaram um legado significativo que sempre nos encantará.
E assim o brasileiro prossegue criando. Tivemos a genialidade de um Millôr Fernandes que revolucionou o haicai com o seu humor irreverente, bem como o citado Leminski que fez muitas experimentações com os poemas minimalistas. Aqui no RN temos alguns poetas que praticam bem o haicai, como Lívio Oliveira (Pena mínima; ‘Cais natalenses – 101 haicais) e Jarbas Martins (44 haicais). Destaco o gosto deste último para a derivação do haicai batizada de “haicai guilhermino”, em coerência com um novo cânone  estabelecido pelo também sensível e criativo poeta paulista Guilherme de Almeida (1890 – 1969) dentro desse gênero oriental milenar.  Outro poeta que escreveu haicais (e até poetrix, veja em O fruto maduro) foi o já mencionado Luís Carlos Guimarães (1934 – 2011).
No ano de 1999 (há dezoito anos), na Bahia, o poeta Goulart Gomes publicou o livro  “Trix – poemetos tropi-kais”, a partir do qual teve a ideia e a iniciativa de criar o cânone, os princípios que regeriam esse tipo de terceto, batizado como “poetrix”. Pode-se dizer que ali nascia um novo gênero poético minimalista, uma alternativa ao haicai, ainda que outros poetas já o tivessem produzido de forma espontânea e intuitiva, sem atentar para o fato de que poderia ser caracterizado como um gênero específico, pois que, até ali, tal produção era despida dessa intencionalidade. A título de exemplo, observei a partir do livro “A arte poética de Diógenes da Cunha Lima”, organizado pelo escritor e pesquisador Thiago Gonzaga,  que esse poeta havia escrito dois tercetos, nos seus livros Instrumento Dúctil (1975) e Corpo breve (1980), que podem, a partir do cânone estabelecido por Goulart Gomes, ser considerados como poetrix. São, respectivamente, os poemas “Ouvindo a Nona” (Música/Sorriso/De Deus) e “Cama” (A cama pura/antecipação/da sepultura).
Vale destacar também que um ano depois da caracterização do gênero poetrix, ou seja, no ano 2000, em Mariana/MG, surgia o gênero “aldravia”, criado pelos poetas Gabriel Bicalho, Donadon-Leal e Andreia D. Leal. Uma modalidade que vem sendo abraçada por muitos poetas, com várias antologias já dedicadas a ela. Ambos, poetrix e aldravia, estão, portanto, inseridos no que se pode chamar de “poesia minimalista”.
Para o fulcro desse artigo, importa rememorar um pouco acerca do poetrix, caracterizado como um terceto, com título. O poema pode ter até, no máximo, 30 sílabas métricas.  Diferentemente do haicai, que trata de elementos da natureza, do tempo, das estações do ano, o poetrix admite qualquer tema, em qualquer tempo verbal. Permite metáforas e outras figuras de linguagem. Enfim, um gênero versátil que sai da camisa de força, tanto da temática quanto da estrutura silábica 5-7-5 do haicai.
Importa dizer também que existe um Movimento Internacional Poetrix – MIP, o que leva o gênero a contar com inúmeros criadores mundo afora. O poetrix teve desdobramentos, como o duplix (dois poetrix de autores diferentes, a dialogar e a se complementar), o triplix (três poetrix conjugados) e o multiplix (quando quatro autores diferentes se irmanam em versos complementares ou suplementares). Essas variações do poetrix são uma excelente forma de se produzir poesia colaborativa minimalista.
Acontece que um outro poeta, Pedro Cardoso DF (que pertence ao Grupo Poetrix), certo dia, ao ver a palavra “Sertãozinho” (nome de uma cidade do interior de SP), teve a ideia de quebrá-la em três outras palavras: “ser – tão – zinho” e atribuir-lhe um título que lhe daria um novo significado. Ficou assim:
POLÍTICO
ser
tão
zinho
(Pedro Cardoso)

Ou seja, o que era o nome de uma cidade, agora, nessa derivação do poetrix chamada de “palavratrix” por Pedro Cardoso, passa a criticar um tipo de “ser” que se jacta de ser “político” o que, infelizmente, em muitos casos o levam a ser “tão” insignificante, a ser um “zinho”, que não dignifica o nome que leva.
Outros exemplos de palavratrix do próprio Pedro Cardoso:
ANDARILHO
tatu
a
(Pedro Cardoso)

Todos nós sabemos que “Tatuapé” é o nome de um dos bairros da cidade de São Paulo. E o título empresta um novo significado ao andarilho, transformando-o num bicho, o tatu que anda a pé. Aliás, no geral, esse palavratrix faz uma analogia com uma cidade de milhares de carros, a poluir e a entravar o trânsito. Para se andar em São Paulo, só mesmo um andarilho que vira tatu e cava túneis, como os famosos metrôs. O palavratrix, portanto, pode levar o leitor a uma infinidade de interpretações, tudo a partir de apenas uma palavra quebrada e com um título que a direciona a outros campos semânticos.
Outro palavratrix, que considero criativo, é:
PINTANDO A VIDA
a
cor
dar
(Pedro Cardoso)

Numa variação desse mesmo verbo, na sua flexão “acordava”, Andra Valadares, poetrixta mineira elaborou o seguinte palavratrix:
DEUS NA CRIAÇÃO DO MUNDO
a
cor
dava
(Andra Valadares)

Vale ressaltar que o título de qualquer poetrix não entra na contagem de sílabas (reforço aqui: um poetrix pode ter ATÉ, no máximo, trinta sílabas métricas). Quanto ao título, pode ter qualquer extensão, diz o cânone.
A partir desses quatro exemplos, pode-se perceber a importância do título para ressignificar uma palavra repartida em três outras. O título é essencial, pois é ele que dá o “norte”, o novo rumo que a palavra seguirá, agora em três versos oriundos de sua quebra, a gerar um significado diferente, o que significa redimensionar o sentido original da palavra. Como se o poeta quisesse penetrar a entranha da palavra e submetê-la a um ato cirúrgico que a magnifica para além de si mesma, tripartida. Como se vislumbrasse dela a cabeça, o tronco e os membros que lhe atribuem uma nova forma de se movimentar no campo poético minimalista.  
Como não existem tantas palavras que podem ser quebradas em três outras, imagina-se que poderá haver repetições de palavras em diferentes palavratrix. Seria isso cópia, plágio? Essa mesma dúvida tinha a poeta e poetrixta Kathleen Lessa (criadora do blog Kaleidoscópio Literário, e que publicava também no Recanto das Letras), ela que já se foi para as estrelas no ano passado (2016). Então, a poeta quis tirar essa dúvida com o criador do gênero, Pedro Cardoso, que lhe respondeu, num e-mail datado de 20/10/2008, conforme consta no blog da poeta:
No palavratrix o que importa é o título... Com certeza teremos muitas e muitas palavras iguais, mas o sentido certamente bem diferente. Este é o meu encanto com o palavratrix.”
Confesso que já passei por esta experiência. Criei um palavratrix com a palavra “amortecedor”. Com essa mesma palavra a poeta Tânia Souza, de Campo Grande/MS, também fizera um palavratrix. Em épocas e geografias diferentes, um sem tomar conhecimento do outro. Só depois é que, ao receber o seu livro “De(s)amores e outras ternurinhas”, fiz essa constatação. Vejam os dois exemplos:
ÀS VEZES
amor
tece
dor
(José de Castro)

TRAIÇÃO
amor
tece
dor?
(Tânia Souza)

Como bem observou Pedro Cardoso, criador do gênero, a palavra é a mesma, usada em contexto caracterizado de forma diversa, com sentidos diferentes conferidos pelo título atribuído pelos respectivos autores.

Aconteceu um incidente parecido, de ideias que tiveram a raiz na mesma palavra, quando escrevi uma aldravia e um palavratix  com a palavra “amarela” e percebi que o poeta Marcelo de Cristo (ou decristo, como assina) tem um livro com o título “Tons de amar-ela”. Esse título pode ser considerado um  palavratrix se fizermos a sua diagramação assim:

TONS DE
a
mar
ela
(decristo)
 
A minha aldravia (que está no livro Quando chover estrelas) é assim:

tão
azul
como
pude
amar
ela?
(José de Castro)

Para o palavratrix usei a mesma ideia, mudando a cor. Veja:

TÃO VERDE, COMO PUDE
a
mar
ela?
(José de Castro)

Aqui no Rio Grande do Norte venho divulgando tanto o poetrix quanto suas variações, principalmente o palavratrix. Temos vários poetrixtas no estado,  como Fátima Mota, Clécia Santos, Paulo Caldas Neto,  Eliete Marry, Edilberto C. Santos, Nilda Pessoa, Vera Azevedo, Marcelo de Cristo (Tons de Amar-ela), Kiko Alves (Ancoradouros), Maria Maria Gomes (Algodão e Sal), entre os demais. Existem outros como Gilvânia Machado que organizou duas coletâneas de poetrix (Fagulhas Poéticas  e Fagulhas Poéticas - Volume II) além de ter publicado o seu livro solo neste gênero, o Rendas & Fendas. E também o criativo poeta Marcos Campos com o seu livro Um bêbado sonhador, que passeia com desenvoltura pelo gênero poetrix, dentre outras modalidades. Encontramos também esse gênero no trabalho da poeta Leocy Saraiva (um poetrix – Grave -  em homenagem a Leminski) no seu livro Versos Temporais. Há bons exemplos de poesia mínima (poetrix) num livro de Ruy Rocha (Poesia alguma) e também nos poemas criativos de Carito Cavalcanti (Atestado de órbita). Imagino que existam, aqui no RN, outros autores que escrevem poetrix, até mesmo sem o saber. Contudo,  este artigo, pelo seu fôlego curto, não tem a pretensão de esgotar o tema, mas de lançar algumas luzes sobre a poesia minimalista.
Gosto de citar o palavratrix, produzido por Paulo Caldas Neto, publicado na Coletânea de Poemas – UBE/RN, 2015.  Vejam:
PAIXÃO DO MESTRE DE OBRAS
ama
dure
cimento
(Paulo Caldas Neto).

Confesso-me um minimalista apaixonado. Tanto pelos haicais, pelas aldravias quanto pelos poetrix. E o palavratrix me desafia a cavar palavras que sirvam para expressar estranhamento, sarcasmo, crítica social e, noutros casos, provocar risadas. Vejam algumas das minhas criações, que sairão em breve num livro ainda em fase de organização.
DE 8 EM 8 ANOS, VOTA-
se
na
dor

EM TEU PESCOÇO, BEIJOS
de
co
lar

TAÇA DE TRAIÇÃO
gole
a
dor

SE “BEBES” PELO NARIZ
és
co-
bar

O AMOR ENTERROU COM
de
cimento

EM BELEZA TRISTE
a
dor
nado


REMAR CONTIGO  
a
mar
ia
(José de Castro)

Deixo aqui um desafio a você, leitor. Venha brincar de descobrir palavras que possam ser quebradas em três outras, que se constituirão nos versos do poema minimalista. Depois, escolha um título interessante que expresse a sua engenhosidade no trato com a ressignificação do vocábulo.  Observe bem o cânone aqui apresentado, pois não basta quebrar a palavra em três sílabas quaisquer. Cada sílaba (ou seja, cada verso), tem que se configurar como uma palavra existente, de vida própria, nem que seja apenas um conectivo ou uma letra isolada.

Então, que tal experimentar essa

FERRAMENTA POÉTICA
lavra
trix?

Está feito o convite. Caso o aceite, seja bem-vindo ao universo da poesia minimalista. Aquela que, segundo Ezra Pound, precisa ser capaz de expressar o máximo com um mínimo de palavras. Boa sorte nas suas criações.

*José de Castro, jornalista, escritor, poeta. Autor de livros infantojuvenis (A marreca de Rebeca; A cozinha da Maria Farinha; Poemares; Poemas Brincantes; Poetrix e Vaca amarela pulou a janela, dentre outros). Membro correspondente da Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil – ALACIB/Mariana-MG. Participa da Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do RN – SPVA/RN e da União Brasileira de Escritores – UBE/RN. Cônsul Poeta del Mundo de Parnamirim/RN. Patrono de uma biblioteca na Escola Municipal Jacira Medeiros (Parnamirim/RN). Autor dos livros “Apenas palavras” e “Quando chover estrelas”. Contato: josedecastro9@gmail.com

Notas:
1.       Haicai – gênero poético milenar oriental, terceto de 17 versos, na estrutura 5-7-5, dedicados à temática ligada à natureza. Poetas consagrados no gênero: Matsuo Bashô (1644 – 1694) e Kobayashi Issa (1763 – 1827);
2.       Haicai Guilhermino – criação do poeta Guilherme de Almeida (1890 – 1969), que estabeleceu o cânone que permite ao haicai ter título, uma rima do primeiro com o terceiro verso, além de uma rima interna no segundo verso (rima-se a segunda sílaba métrica com a sétima). O cânone manteve a temática específica ligada à natureza e também a estrutura métrica 5-7-5;
3.       Aldravia – gênero minimalista criado em Mariana/MG pelos poetas Gabriel Bicalho, Donadon-Leal e Andreia D. Leal. Um poema de estrofe única de seis versos. Cada verso deve ser univocabular;
4.       Poetrix – terceto com título, que pode ter até, no máximo, trinta sílabas métricas. O cânone estabelecido permite ampla liberdade de criação temática, bem como todo o tipo de experimentação com a palavra que pode navegar em qualquer tempo verbal, seja passado, presente ou futuro. Além disso, figuras de linguagem são permitidas, sendo que o título do poema pode ter a extensão que o autor decidir, sem interferir na contagem de sílabas métricas;
5.       Palavratrix – uma derivação do poetrix. Segue o cânone estabelecido, com a particularidade de ser fruto da quebra de uma palavra em três outras, com um título que lhe dá um nexo.

LEITURAS RECOMENDADAS:

ALVES, Kiko. Ancoradouros. Mossoró: Sarau das Letras, 2016. 

CAMPOS, Marcos Antonio. Um bêbado sonhador. Natal: Caravela Selo Cultural, 2016.

CASTRO, José de. Quando chover estrelas. Natal(RN): Jovens Escribas, 2015.

______________. Poetrix. BH(MG): Dimensão, 2013.

______________. (org.) Coletânea de Poemas – UBE/RN 2015. Natal(RN): UBE/RN. Offset Editora, 2015.

CAVALCANTI, Carito. Atestado de órbita. Natal(RN): Jovens Escribas, 2012.

DE CRISTO, Marcelo. Tons de amar-ela. Natal(RN): Jovens Escribas, 2016.

FABRE, Mardilê Friedrich. Entardecer com aldravias. São Leopoldo: Oikos, 2015.

GOMES, Goulart. Trix – poemetos tropi-kais. Salvador: Pórtico, 1999.

_____________.(org.) Antologia poetrix 3 – Comemorando 10 anos de criação do Poetrix. Lauro de Freitas, BA: Livro.com, 2009.

_____________.(org.). 501 poetrix para ler antes do amanhecer. Lauro de Freitas, BA: Livro.com, 2011.

GOMES, Maria Maria; FRANCISCO, Antônio. Algodão e sal. Mossoró: Sarau das Letras, 2012.

GONZAGA, Thiago. (org.) A arte poética de Diógenes da Cunha Lima. Natal/RN: CJA Edições, 2015.

GUIMARÃES, Luís Carlos. O fruto maduro. Natal: Fundação José Augusto, 1996.

LEAL, Andreia Donadon; BICALHO, Gabriel; DONADON-LEAL, J.B. O livro das aldravias. Mariana: Aldrava Letras e Artes, 2011.

_____________. O livro II das Aldravias. Mariana: Aldrava Letras e Artes, 2013.

_____________. O livro III das Aldravias. Mariana: Aldrava Letras e Artes, 2015.

LEMINSKI, Paulo. Toda poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

MACHADO, Gilvânia. Rendas & Fendas. Praia Grande, SP: Editora Literata, 2014.

________________.(org.) Fagulhas Poéticas (antologia de poetrix). Praia Grande, SP: Editora Literata, 2011.
________________.(org.) Fagulhas Poéticas – Vol. II – Poetrix. Praia Grande, SP: Editora Literata, 2013.

MARTINS, Jarbas. 44 haicais. Natal(RN) : 8 Editora, 2014.

OLIVEIRA, Lívio. Pena mínima. Natal(RN): Sebo Vermelho, 2007.

___________. ‘Cais natalenses. 101 haicais de Livio Oliveira. Natal(RN): 8 Editora, 2014.

ROCHA, Ruy.  Poesia alguma. Natal(RN): Jovens Escribas, 2012.

SARAIVA, Leocy. Versos temporais. Natal(RN): CJA Edições, 2016.


SOUZA, Tânia. De(s)amores e outras ternurinhas. São José dos Pinhais, PR: Editora Estronho, 2016.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Texto de excelência e muito revelador para quem quer estudar sobre esse gênero do fazer poético, o artigo é uma aula. Parabéns para o autor

    ResponderExcluir