POETAS HOMENAGEIAM A CIDADE DO NATAL

Os poetas Ricardo MoraisAmir Ibn Tawfik Simon e Sandemberg Oliveira homenageiam a cidade do natal
Imagem • Foto/Divulgação Prefeitura Municipal do Natal

LUGAR
RICARDO MORAIS

Lugar de gente em gírias e modas
Lugar de casas e prédios sem história
Lugar do verde indo embora
Lugar sem vias para duas rodas

Aqui se fala, se veste, se tem e só assim se é alguém
Aqui se constrói e se mora demolindo passado de gloria
Aqui se derruba e desmata, limpando terrenos, jardins e canteiros
Aqui se vai daqui prali com motor a combustão, pedal não tem vez não

Educação pode ser a melhor solução
Resta saber quem quer assim ou não
Isso o povo tem nas próprias mãos
Basta saber escolher na próxima eleição

Mas não vamos ficar só na reclamação
Esse lugar tem coisa boa de montão
Basta saber olhar e escolher
Uma cidade inteira pra conhecer

Para ser feliz aqui, você tem que saber
Não basta visitar ou morar, precisa participar
Se tem algo ruim, pode mudar, basta querer
E se já está bom, algo sempre pode mudar

Chame-a de passeio ou de lar
É uma cidade espetacular
Com muita coisa a fazer
Muito mais a melhorar

Lugar pra falar de bem ou de mal
Lugar pra perceber que o todo é que vale
Lugar cheio de manhas, manias e detalhes
Lugar que eu chamo de lar, Natal


¡HABIBI!
 AMIR IBN TAWFIK SIMON
(LebanonPopular FrontUnity)
 •

Un fantástico cielo pintado de celeste,
Rebeldes nubes surcan de este al oeste…
Acarician la cima del Morro do Careca,
Vestida de arena color oro,
las dunas voy pintando…
coronando su cuerpo de princesa,
Cubierta con sedas de verde hierba silvestre,
Tejido artesanal que tejieron las sirenas,
Y que la Madre Naturaleza diseñó
El mar que besa tus pies,
El agua color turquesa,
Color favorito de los fenicios,
La blanca espuma,  como la nieve de mis lejanas montañas…
Verseo para ti…mi bella princesita,
 ¡Habibi!


DE CÁ PARA CÁ
SANDEMBERG OLIVEIRA
 •

Da ladeira
Do sol
Do mar
Da brisa
O que há...
Amores, sabores...
Que sopram de cá...
Da esquina que aponta
Para a velha terra ao longe...
És tu Natal amada
Que aponta no horizonte...
Terra de poetas.
De amores eternizados.
Canta o povo sua história...
Nas serenatas do passado.




Nenhum comentário:

Postar um comentário