MINHA INFÂNCIA ♣ UM POEMA DE CLÉCIA SANTOS



Adorava brincar: 
De amarelinha 
De casinha 
De escorrego 
De ping e pong 
De pular corda 
De jogar dominó 
Dama 
Xadrez 
E esperar a minha vez. 
Abraçar... 
O tempo 
O pensamento 
O sonho 
O vento. 
Fantasiar... 
Que o tempo passava 
Que o anel quebrava 
Que o que era doce... 
Acabava-se. 
Que a infância... 
Passava 
No passa a passa 
Dos anéis 
Dos carrosséis 
Do " -Tô no poço!" 
Do aconchego 
Do amor brinquedo!
CLÉCIA SANTOS

6 comentários:

  1. Que lindeza de infância!
    Aqui também pude recordar as brincadeiras que vivi com minhas amigas lá no Seridó.

    ResponderExcluir
  2. Vale muito ter amigos!! Obrigada Radyr Gonçalves por administrar tão bem a Revista Ouro!!! Obrigada Eliete pelo carinho! Amei ser hoje! Sim! Umas lembranças lindas.

    ResponderExcluir
  3. Belo poema e certamente uma bela infância

    ResponderExcluir
  4. Passa anel, brincadeiras de roda, pula corda, pião, iô iô, esconde-esconde... um belo tempo que não nos volta mais... Mas que ficou marcado na lembrança...Parabéns, amiga poeta Clécia Santos, que nos ajuda a alimentar a nossa criança interior...

    ResponderExcluir
  5. Obrigada poeta Cláudio Wagner!!!🌸

    ResponderExcluir
  6. Owww que maravilha de comentário poeta José de Castro!! Na realidade atual está difícil brincar assim. Fica na lembrança! Obrigada pelo carinho da visita! 😊

    ResponderExcluir