A VERVE INSPIRADA

Do Poeta parelhense JOSIVAN ALVES

FATALIDADE 

O culpado trombou com a sorte na esquina,
Tentou desvio da vitima
Que no incontrolável impulso
Se apropriou do seu órgão mais querido,
Instantaneamente surgiu,
Daí foi fatal o amor.
  
      💐💐💐
  
NARCISO

Entre o barbear e o gargarejo,
Lhe escolhi no meu melhor meu dia: HOJE,
Me apaixonei pelo eu espelho.

      💐💐💐
  
EU

Oh! Exagerado cidadão do mundo,
Andas tão solitário e carente
Que escuta até pedras em ribeirão,
Não ver que elas só emitem o cantar de dor
Quando são violadas pelas águas do vasto rio?
Meu desafio é interpretar os escritos do tempo,
Traduzir os sons do silêncio das pedras jogadas,
Acreditar na ilusão da permanência,
Falo com as ditas, um louco de jogar pedras na lua
E refaço cantigas para um novo amor.
  
      💐💐💐
  
PARTO POÉTICO
  
Sorrio de dor ao gerar em ventre livre
Meus versos diários,
Em gritos de parto nasce filho único por hora,
Pródigo por dias,
Já sem rédeas o rebento cria asas,
Como um anjo se vai em revoltados ventos,
Faz doer ao despedir mais o que de parir
E o partir é algo rotineiro.

Na cerimônia de separação
Canto o mantra da saudade
E alegria da concepção,
Deixo escrito no cordão umbilical:

Gero versos para o mundo adotar,
Poesias nuas, sem nome,
Mas que herdam a fortuna e a inquietação do poeta,
Ele que renasce a cada nascer do sol.

      💐💐💐

TE DECLAMAR 

Oh doce rua,
Guarda uma casa de número sorte
De telha apática, janela curva
Um jardim feliz

Avisa nosso cachorro
Que chegarei sem grana, sem grama
Oferecerei um cafuné, mimarei antes de ti
Por ter sido tão fiel sentinela

Abra teu coração
Flores na janela
Bule no fogão
Café teu cheiro, és tu, bela
Já chego, minha mão bate a porta
Oh porta!
  
Entre aberta vossa alma
Esqueça do tempo passado
Te chegou um novo
Com o mesmo carinho
Os mesmos sonhos,
Abra a porta,
Abra a porta,
Não se importa o que irão dizer
Reabra teu riso que eu te abro o vinho
De tão tinto, tanto nos esperou
Abra seu sertão Isadora

      💐💐💐

GAROTO 
  
Entre cifras, perfume e moedas
Lhe tenho entre os lençóis,
Mas não na vida,
Irreal certeza de que me quer bem
Me ama, diz
Me deseja, diz
  
Enquanto meu silencio enxerga seu fingimento
Os olhos fitam a vontade de consumir-lhe
E os corpos falam
Transbordam
Gritam: -prazer, somos nós
Numa fusão ofuscada entre a meia luz

Refletem-nos três espelhos sobre nós
Uma só imagem do pecado
O sol desperta,
Meu pensamento fala:
Me ama, peço
Me deixa, peço
  
Depois do último beijo
Insisto a me dizer
Garoto, não es para mim
Habita em meu peito em horas frias
Mas mora no submundo dos desejos alheios.

      💐💐💐
   
INSTANTES

Não me preocupo
Pois sei que mais tarde
Meu novo amor chegará ao próximo trem bala,
Está vindo, eu pressinto.

Vem trazendo consigo milhares de recordações,
Milhões de beijos e sorrisos já dados,
Brigadeiros em noite fria de inverno (raro),
Recordações do futuro nosso.

Vem trazendo uma casa de belo jardim,
Um sol caprichado,
Luar enciumado,
Estrelas para testemunhar.

Traz domingos de felicidades de Junho,
Cinema, pipocas, traquinagens,
Metade da cara,
Um sonho a beira mar.
Darar-me um beijo de casal recém-chegado,
De namorados apaixonados,
Que de bobagens irão brigar,
Lá com o mundo nos aplaudindo.
  
Daí eu corro, pois apressa é aliada,
Tenho que correr,
Pois meu amor sempre morre com o fim da madrugada,
Meus sonhos são incontroláveis.
Volto pro nada
  
      💐💐💐

CRÔNICA ICARIANA

Lembro muito bem o dia em que nasceu, chovia intensamente,                                           O sol se guardou em sua imensidão,                          
Se fez ralo raio e depois brilhou discretamente no olhar da orgulhosa mãe.
Iluminado se fez, os deuses cantaram,        
Todos o mimavam.                                

Dentre tantos presentes, lhe deram asinhas                                                      

Leves,                                                      

Finas,                                             

Transparentes.
Ao tatear-se ao chão já se mostrava ousado em querer emancipasse precocemente
Em pouco tempo foi preciso trocar de asas, pois já se sentia dono dos seus passos,                       
Porem algo lhe deixava  impotente, o desejo de não poder sair do chão.

Certo dia, rapaz garboso desafiou sua sina, 
Beijou sua mãe e junto ao pai, quis o mundo dominar,                                                 

Aos seus mimosos dezoito anos, ganhou asas e o direito de voar,
Partiu.
Sem temer o perigo ,
Desafiou a natureza, pulou do penhasco,
Bateu as asas de penas fortes e de cola frágil,
Sugou os ares com vontade,
Sentiu-se superior e livre,
Do céu se ouviu sua graciosa voz:
- Olha-me, olha-me, eu sei voar.
O sol caprichou nesse dia,
Sentiu-se traído e enciumado,
Atraiu o afoito homem pássaro para perto de si,
O abraçou,
E O que era cera derreteu em pranto,
Derramou os sonhos do agora anjo sem asas.
Porem, o criador de todas as criaturas,
Senhor dos céus, da chuva,
Mais que o sol,
Mais que a cera,
Em um estrondo grito declama:
- Refaça tuas asas Ícaro,
Anjos também padecem ao aprender a voar,
Nem tudo é paraíso,
Cair é preciso,
Do chão levantar.


JOSIVAN ALVES nasceu em Parelhas, sertão do Seridó potiguar, desde criança que se envolve com atividades culturais, nas áreas da literatura, teatro e música, se orgulha de ser ter raízes no bairro São Sebastião, leva onde for o nome da comunidade, atualmente mora em Natal e participa de vários movimentos culturais, trabalha no Parque da cidade com atividades culturais, é contador de histórias, membro da SPVA, Projeto Reviver, Companhia GirArte de teatro. é admirador da cultura popular.


2 comentários:

  1. Parabéns Josivan!! Além de ótimo contador de histórias, é poeta!!

    ResponderExcluir
  2. Poemas que mexem com a alma da gente. Ser príncipe pode ser temporário, mas ser poeta será eterno.

    ResponderExcluir