A POESIA DE JUNIOR DALBERTO


A PORTA

Pouco importa a porta
Não me importa quem abre
Pouco importa quem fecha
Importa atravessar a porta
O que está atrás da porta
O que ficou dentro da porta
Com quem estou dentro da porta
Como saio pela porta
Mas, não importa a porta
Não me fechem a porta
Deixe que eu abra a porta
Nada mesmo importa.

      💐💐💐


O CHEIRO DO NOVO


Alguém sabe o cheiro do novo?
Onde encontro?
O cheiro do novo,
Alguém sabe?
Ele passa tão rápido
que quando o sentimos
já estamos tão passados quanto os nossos pais.


      💐💐💐


ENCANTADO


Na minha partida
Lavem-me em labaredas
Façam cinzas do meu corpo
Impedindo-me de idas e vindas
Nada de me aprisionarem
Em lápides frias e esquecidas
Joguem-me em pó nos oceanos
Numa maré revolta
Em noite de lua cheia
Numa onda de forte partida
Pra continuar viajando
Nas águas, pelo mundo afora.
Não falem que morri
Digam que
Me encantei
Virei algo de outro mundo
Talvez um poema marinho
Feito de areias branquinhas,
Conchas, estrelas do mar, cheiro de maresia.
Guinchos de gaivotas
Cardumes de peixes voadores
Brincadeiras de golfinhos
Suaves cavalos marinhos.
E nesse mar que me navego
Falem que fui feliz
Que parti dormindo, sorrindo.
Já que de tantas insônias vivi.
Encantei-me em felicidades
Pois em sonhos, me transformei.

      💐💐💐


TRÉGUA

Fiz as pazes comigo
Com minhas saudades
Desejos e dúvidas
Fiz as pazes com minhas caminhadas sem rumos
De me perder de você
De me perder em você
De jogar tudo pra cima
E feito sombras culpadas
Voar sobre nossas cabeças
Fiz as pazes com Deus
Com você, com nossos anéis,
Agora, sou somente eu,
Éter, água com gás, gelo seco e luz.
Sou o que me seduz
Fiz as pazes com Deus
Deixei de viver lado a lado
Com o que mora ao lado
Com o que via de lado
Que caminhava ao meu lado
Atravessei a rua
Fiz as pazes com Deus
Fiz as pazes comigo.


      💐💐💐


AUSÊNCIA


Mais uma noite
Solidão e chuva
Sua xícara de chá ainda pela metade, fria
Espera pela sua companhia
Lençóis amassados, frios e marcados pela tua fuga
Saudade de você
Seu cheiro ainda no ar
Sua toalha já secou faz tempo
No espelho só vejo você no meu olhar cansado
Aflito e insone nessa noite que não passa
Noite que não passa
Nunca
Deixou cicatrizes na minha alma
Saiu sem dizer que me amou
Que foi bom
Sem dizer adeus
Partiu.


      💐💐💐


GAIVOTAS

Mergulho com minhas penas e bico
Embico
O mar
A terra
O ar
Lar
Mergulho minha alma
Dentro das águas
Vida com a morte
No ar
Limpo meus pecados
Sujo de sangue e escamas
Terra
Lar
Respiro
Miro
Mergulho com minhas penas e bico



JUNIOR DALBERTO


Junior Dalberto, pseudônimo de Alberto Barros da Rocha Junior, é escritor,
dramaturgo, diretor teatral, poeta potiguar E policial federal aposentado.
Autor e encenador dos textos infantis “Um Robô no Mundo da Fantasia” no Rio de Janeiro,  “Pinóquio e o Circo” e “A Trilha da Caveira que Ri” em Natal/RN.
Escreveu e produziu o espetáculo infantil “Titina e a Fada dos Sonhos” e o espetáculo adulto “A Barca de Caronte”. 
Dirigiu os espetáculos de sua autoria “O Velório da Marquesa Di Fátimo”,
 “ Borderline” e “Ventre de Ostra”.  É premiado com quatros troféus Evoé – Festival de Teatro Exu Pernambuco em 2015 e Indicado ao Botequim das Artes do RJ  pelo texto “Borderline”. Premiado com o Troféu Cultura 2016 - Melhor Espetáculo Potiguar por “Ventre de Ostra”. Autor das seguintes obras literárias:
O romance realismo mágico “Pipa Voada sobre Brancas Dunas”
“O Teatro Mágico de Junior Dalberto - Coletânea de textos Infantis”
 “O Teatro Mágico de Junior Dalberto – Coletânea de textos adultos”
O livro de contos “Cangaço e o Carcará Sanguinolento” -Troféu Cultura 2014 – Destaque Literário Potiguar.  Escreveu ainda o livro de poemas “Leveza Infinita”,
O livro de conto juvenil “Reféns nos Andes” e O livro Infantil Titina e A Fada dos Sonhos com ilustrações de Alexandre Souza. Representou a cidade de Natal no III EELP - Encontro de Escritores da Língua Portuguesa. Fez a direção cênica da inauguração do Cine Teatro Parnamirim/RN.  Integrou a Caravana Literária Potiguar. Integra o projeto Carrossel da Leitura.  Representou o Brasil participando da obra literária coletânea Brasilis –  Feira Literária Internacional de Cuba-2017.

Saiba mais em:
jrdalberto2010@hotmail.com
@JrDalberto                Junior dalbertoreal (Instagram)        
Adélia.

Gosto de colocar meus pés sobre asas e me deixar levar pela força dos ventos, mesmo no ar, germino. Junior Dalberto.





Nenhum comentário:

Postar um comentário