Tarde fria • Radyr Gonçalves


A ramagem cinza das nuvens numa tarde fria

Meu pensamento de rapina
(Quase sangra na alma)

Voa ferido
Meu querido pensar

O incenso de certas lembranças
Ameniza a dor, a angústia, a ânsia...
O perfume da nostalgia
Os elos perdidos
A insensatez
O ponto agudo do conto
O estigma plantando na tez

À tarde fria costura o tempo
A noite rebentará sem as carícias de um pôr do sol entre as dunas
Sem revoadas
Meninos soltando pipas
Esperanças de estrelas

As nuvens são flores mortas nesta tarde gelada
Ramalhete sem beleza
Jardim de incerteza
Horizonte escasso...


(Tudo é cinza por essas ruas por onde passo).

Radyr Gonçalves

Nenhum comentário:

Postar um comentário