Harpa XXVI - Fragmentos do Mar • Sousândrade


(...)

Meneia a larga cauda e as barbatanas
Limoso leviatã cheio de conchas
Com dorso de rochedo que ondas cercam;
Cristalinos pendões planta nas ventas,
De brilhantes vapores, que em bandeiras
Íris enrolam de formosa sombra.
Negra fragata lá circula as asas
Sobre a nuvem dos peixes voadores.
Agora rompe a nau lençóis infindos
Que o mar tépido choca, e vindo a aurora
Já salta a criação d'escamas belas.

(...)


Poema integrante da série Estâncias.


In: SOUSÂNDRADE. Harpas selvagens. Rio de Janeiro: Laemmert, 1857

Nenhum comentário:

Postar um comentário