Sou Tupi - Eduardo de Almeida Cunha


Foi o nome que me deram.
A minha origem escolhi.            
Neste solo já lutei.
Nesta história já sofri.
Mas um homem guerreiro,
nunca foge às suas origens,
e nos orgulhamos de ser.
Por quê?
Sou tupi,
garoto guerreiro,
que ainda resisto por aqui.
Temos que pisar no chão,
proteger a natureza
de todo coração.
Não importa o que dizem de mim.                              
Importa o que sinto,                                                                              
o que sou,
o orgulho de ser.
Por quê?
Sou tupi,
garoto guerreiro,
que ainda resisto por aqui.
Nesse mundo (des)globalizado
temos que resistir.
Homenagear, é manter vivo
um pouco da Geografia, da História...
É ser um homem guerreiro: apocalíptico,
com um destino a seguir.
Sou tupi,
garoto guerreiro,
que ainda resisto por aqui.                   
Nesse Brasil miscigenado,
temos que pisar no chão,
valorizar a terra preta
para ensinar na educação.
Ambiental? Pode ser,
o importante é proteger a natureza
de todo coração.
Sou tupi,
garoto guerreiro,
que ainda resisto por aqui.
Não importa o que dizem de mim.
Importa o que sinto,
o que sou,
o orgulho de ser.
Por quê?
Sou tupi,
garoto guerreiro,
que ainda resisto por aqui.
 -

Eduardo de Almeida Cunha

Caxias, MA

Nenhum comentário:

Postar um comentário