Hipoteca - Suzana Rabelo


Hoje comemoramos enfim fim da trégua
Enfileirados retornamos à guerra...
Entre códigos de conduta, luta, e honra!
Haverá algum sobrevivente?

Ciente, senciente, inconsciente
Qualquer um de toda essa gente...
Deste mundo pateticamente hipotético!
Qual altura do caminho nos perdemos?

Por que homens só brincam de guerra?
Por onde andam aquelas bonecas azuis!
De onde vem tamanha fome, sais e anis;
E esta força vil, motriz?

Tanta gana de ser mais bicho que bicho!
Ah! Por que permitimos o adestramento?
Por que não insurgimos contra tanto amor
fraterno, castrador, vindo de nossos pais?

Não por serem estes fraternais, paternais
Mas por estarem eles tão contaminados
Abarrotados de dívidas externas eternas!
Agora fez-se tarde para retomada da cura

Agora somente nos resta la farta loucura
De embarcarmos para o futuro, armados!

Com penas, tragédias, mísseis, e muros...

-
Suzana Rabelo

Nenhum comentário:

Postar um comentário