Infinitos - Erilva Leite


No leito divino do amor em que embalaste os meus sonhos
Nossas mãos em nossos corpos eram como preces
Um elo ou misto de ternura e de verdade
Veracidade na vastidão do eterno e do infinito que é amar!

Esqueci-me de acordar do sonho e enxergar
Quão profunda é a vala em que se sepulta um sentimento
Quão profundas as chagas que sangram sem cicatrizar
Mas do alto do céu eu sei, não se vê escombros

Na cruz tosca e atroz de cada assombro
Verte-se a dor, torna-se ornado e bonito
Desce-se à tumba atroz do esquecimento

Para se alcançar o infinito!

-
Erilva Leite

4 comentários:


  1. Uma fonte
    Que jorra versos

    Assim
    Como o rio Alfh
    Jorrava água de um abismo invisível

    Teus
    Versos é o
    Contrário, do alto são

    ...perceptíveis teus vocábulos.

    ResponderExcluir

  2. Uma fonte
    Que jorra versos

    Assim
    Como o rio Alfh
    Jorrava água de um abismo invisível

    Teus
    Versos é o
    Contrário, do alto são

    ...perceptíveis teus vocábulos.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu poema minha amiga Erilva Leite! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom seu poema minha amiga Erilva Leite! Parabéns!

    ResponderExcluir