Do tudo ao nada - Diego Alves


Do homem que fui
E o menino que serei.
Do passado em que estou
No presente ausente de quem sou.
Pouco ou nada, quase tudo bastou.

Não tenho pressa nem tempo
Nem nunca tive o tempo, o momento.
O que em mim mudou?
A verdade e o desalento
Do que em mim restou, nada.
 -

Diego Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário